Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

O dia mais deprimente do ano

Não sei onde vão eles buscar estas coisas, nem baseadas em quê...

Já li que é porque

- estamos a meio do inverno e não se vislumbra o fim;

- ainda não se perderam os quilos ganhos nas festas;

-  as resoluções de ano novo já se começam a perder;

 

E nós, temos algumas coisa a dizer a isto? Porque raio deveremos deixar que um inglês armado em matemático nos venha dizer que hoje, espeialmente hoje, é um dia deprimente? Só porque é segunda?

Pois para contrariar, vamos todos levantar o moral, pensar nas coisas boas que já fizemos este ano, nas coisas positivas que temos mantido conosco e... bora fazer a festa!

 

Para mim hoje é um dia fantástico. O meu filhote acabou os exames do 1º semestre e vem para casa passar uma temporada. Se o dia podia ser melhor? Podia, com um bom jantar bem regado. (vou já tratar da reserva)

 

Filhote armado em bebé #1

Vou iniciar hoje uma nova sequência de post, não tanto por serem interessantes - embora prometa que alguns vão arancar alguns sorrisos - mas mais como registo das minhas memórias daquilo que foi o cresimento do J e das primeiras formulações de frases. Como já disse, nunca fui mãe-galinha, mas isso não implica que não me preocupasse ou que ele seja o meu mais que tudo. O tal amor incondicional que só sentimos pelos filhos...

 

Uma das histórias deliciosas, foi quando ele tinha cerca de 5 anos, íamos de carro e eu explicava-lhe uma coisa qualquer que já não me recordo. Não havia maneira de ele perceber, então utilizei uma expressão que se usava na altura:

- Percebes, ou queres que te faça um desenho? 

Resposta inocente e pronta do J :

- Sim mãe, faz um desenho!

 

( não é tão fofo? Claro que no momento, não há gargalhada que se consiga reprimir...)

 

(post agendado)

 

 

 

Ser "raptada" pode trazer boas recordações? Sem dúvida!

Ser raptada por um apaixonado com um ano de idade não é para todos, certo?

Pois isso aconteceu comigo. É certo que o rapto durou meia hora. É certo que eu estava do outro lado da rua. É certo que o meu raptor tinha também ele 1 ano. Mas isso torna a história menos interessante? Claro que não...

 

Vivi os primeiros 18 meses numa pequena vila alentejana, onde todos se conheciam e sem este grau de insegurança que todos hoje sentimos, sem esta preocupação que como pais nos é cada vez mais intrínseca, face a um mundo onde o perigo espreita constantemente.

Mas quando nasci o mundo era diferente. Não havendo televisão para distrair a miúda, a minha mãe colocava-me à porta de casa no passeio, dentro de uma caixa de papelão e eu ficava ali sossegadinha a ver o movimento.

 

Acontece que o meu vizinho da frente tinha por mim um secreto amor e um dia resolveu agarrar na ponta da caixa e arrastou-me até à sua casa, mesmo em frente.

Foi o pânico na rua! Toda a família e vizinhança à minha procura e a preocupação aumentava conforme aumentava o tempo do meu desaparecimento.

 

Não sei como (essa parte não está clara para as pessoas que me contaram), descobriram que eu tinha sido levada pelo pirralho da frente. Fui resgatada sã e salva.

 

E essa foi a minha primeira prova de amor desenfreado e inconsequente. E a mais doce... 

 

(post agendado)

 

 

Quem nunca...? #4

Apagou um ficheiro por engano e depois de ir ao servidor, ligar para o departamento de informática e incomodar todos os colegas, se conformou de que o ficheiro foi mesmo à vidinha dele?

 

 

Sabem o que é viver no Algarve?

Claro que também é não ter muita oferta cultural e ter de ir a Lisboa quando queremos ver uma boa peça de teatro, ballet, ou concerto.

Claro que também é estar longe da maior parte dos amigos feitos ao longo da minha vida.

Também tem coisas boas como viver literalmente a 4 minutos do trabalho!

 

Mas o que me leva a escrever este post é só hoje ter mudado de lençóis de algodão, para lençóis de flanela (sim, só hoje! E não, polares é demasiado!)  

Sexta 13...

 

Quem desse lado é suppersticioso?

DSC01420.jpg

Quem vai hoje, andar pé ante pé, com receio de que qualquer azar se aproxime e faça das suas?

 

Eu tenho uma gata preta, completamente preta, portanto não tenho como evitar essa coisas, ela já se cruzou comigo umas quantas vezes hoje...

 

 

 

Happyness ou happiness? Eis a razão...

Os mais atentos certamente terão reparado que a palavra que dá nome ao meu blogue está mal escrita. E este deveria ter sido um dos primeiros posts, mas os dias foram passando e continuava lá, nos rascunhos...

 

O erro foi intencional, e para quem viu o filme "Pursuit of Happyness" (em busca da felicidade em português) entenderá o jogo de palavras.

 

Depois do filme, fiquei com duas noções diferentes. A palavra Happiness, significa felicidade - a palavra como conceito.

A segunda noção é a que o filme traduz, a do mural onde a palavra está mal escrita (Happyness) e que significa a busca pela felicidade. No filme, a palavra é intencionalmente mal escrita e foi explicada na altura da estreia como tendo sido tirada de um ensaio do século 18 que citava a Declaração de Independência dos Estados Unidos, em que TODOS os homens são dotados de direitos inalienáveis de Vida, Liberdade e busca da Felicidade. Nesse ensaio, a palavra Happyness nunca foi corrigida e por isso o filme, mesmo com erro ortográfico, saíu assim para as salas.

 

E por isso o meu blog é Happyness is everywhere. Porque a felicidade existe por aí, mas a nossa atitude perante a vida vai determinar o quanto happy vamos ser. A tal história de vermos o copo meio cheio, ou meio vazio... 

 

O que me dá verdadeiro prazer?

Para me dar a conhecer um pouco mais, mas sem qualquer tipo de ordem, eis as coisas que me iluminam os dias:

 

#1 - O som e o cheiro do mar, trabalhar e viver junto ao mar. Noo verão consigo sair do trabalho e dar um pulinho à praia para ainda 2 a 3 horas de luz. A janela do escritório dá directamente para o mar e é um previlégio. Ora vejam:

IMG_20170111_162407.jpg

#2 -  Ler. Desde miúda sempre li compulsivamente. Lembro-me de ler debaixo dos cobertores com uma lanterna, para que ninguém em casa percebesse através da luz debaixo da porta, que eu ficava até às tantas da manhã. Livros digitais, sim já usei, mas não é a mesma coisa. E ler porquê? Porque ler é viajar por outros mundos, por outras realidades. E isso leva-me ao ponto 3

#3 - Viajar, sempre! Faço normalmente 7 a 10 viagens ao estrangeiro por ano. Umas a trabalho, outras de férias e outras em que consigo combinar ambas. Se vou lá fora não conhecendo cá dentro? De todo, conheço muito bem o meu país.

# 4 - O meu filho. Apesar de já crescido - 21 anos e na faculdade, é o meu pequenote e será sempre o meu orgulho. Cresceu de forma saudável, com bons valores incutidos e só espero que consiga realizar os seus sonhos. Não sou mãe-galinha, nuca fui e sei que lhe ensinei a ter asas para um dia poder voar 

# 5 - Os meus dois gatos. Sendo ele o alfa, quando ela decide assumir a situação, é ela quem manda. Só assim: porque quer! (e não é assim em todas as relações?)

# 6 - A minha família adotiva: os amigos. As 3 manas que ganhei ao longo da vida. A minha família mais próxima

# A arbitragem, que sempre preencheu um lado importante da minha vida e acabou por a tornear e fazer-me "viver" tanto mais. 

 

 

O sonho de uma viajante...o meu!

Costumam sonhar acordados? Eu também...

 

A MSC vai realizar o seu primeiro cruzeiro à volta do mundo. (E não se trata de publicidade, apenas interesse genuino)

O cruzeiro partirá de Génova (com a possibilidade de embarcar também em Barcelona) a 5 de Janeiro de 2019 (!!) e vai atravessar 6 continentes, com escala em 49 destinos e em 32 países.

 

 

Vou agora brincar ao faz-de-conta:

Se conseguir embarcar, ao longo dos 119 dias, poderei visitar algumas das mais belas costas, como Los Angeles, São Francisco, Auckland, Sydney, Singapura e Dubai, Caraíbas, Havai, Polinésia Francesa, Ilhas Fiji, Sri Lanka ou Maldivas.

Com o pacote terei acesso a 15 excursões gratuitas (City Tour Málaga; Funchal – Cabo Gitão & Ribeira Brava;, St. Thomas – The Ultimate Island Experience; Cartagena: Panoramic Sightseeing Tour; Los Angeles: Beaches & Beverly Hills; São Francisco: San Francisco & Golden Gate Bridge; Honolulu: Pearl Harbor & City Tour; Papeete: East Coast Tahiti; Auckland: Auckland Museum & City Sights; Sydney: Discovering Sydney; Perth: Fremantle & Perth Orientation; Singapura: Highlights of Singapore; Colombo: Colombo Highlights; Muscat: Mystical Muscat; Heraklion: Knossos Palace and shopping). Vou delirar!!

 

Alguns destes destinos já conheço de viagens anteriores, mas vê-los de novo num contexto de "Viagem à volta do Mundo" teria o seu próprio encanto. E depois, adoro cruzeiros. Bem sei que a opinião generalizada é a de que 60% dos participantes são idosos, mas existe muita gente mais jovem que começa a participar e cada vez mais vemos jovens famílias e grupos de amigos.

Para mim tem inúmeras vantagens, uma das quais o facto de viajarmos de noite e termos os dias para visitar cidades e países diferentes. Aqui todo o tempo é aproveitado.

 

Não sei se poderei participar nesse cruzeiro, não sei o que a vida me trará em finais de 2018, mas no meu horizonte tenho sempre esta imagem, este sonho e espero poder concretiza-lo 

 

Pág. 1/4