Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

As novas regras de educação

O mundo está a mudar. E apesar de verificarmos que as pessoas atropelam e ignoram cada vez mais as outras, há quem goste de tratar o outro com respeito.

Para esses, deixo as próximas linhas. Aos outros, nada do que possa escrever os sensibilizará 

 

Saiba utilizar o modo silêncio do telemóvel quando está com alguém

Nada mais desagradável do que estarmos na companhia de alguém e a conversa estar sempre a ser interrompida por notificações de mensagens, whatsapp, mails. Dê importância à pessoa que está consigo

Evite estar sempre a ver as mensagens do seu telefone

Pela mesma razão. É muito incomodativo estar com alguém que dá mais importância às mensagens do que à nossa companhia.

Seja pontual (bem este, é intemporal)

Avisar em cima da hora que vai chegar 30 minutos atrasado, é no mínimo chato. Ainda para mais se é daquelas pessoas que faz sempre isso... Saia mais cedo ou se for impossível, marque para mais tarde!

Cumprimente as pessoas quando chega

É quem chega que deve cumprimentar, ainda que discretamente. E cumprimente o porteiro, a recepcionista, a senhora da limpeza. Não seja pedante, distribuindo bons dias apenas às pessoas hierarquicamente mais estabelecidas.

Seja educado no trânsito (uiii)

Esta é complicada porque cada condutor é hoje em dia o melhor do mundo, com um umbigo maior do que a praça. Agradeça quando alguém dá passagem, tente não discutir na estrada e respeite os outros utentes. Passar no semáforo a 60, quando sabe que ele vai fechar para todos os condutores atrás de si, é no mínimo desrespeitador!

Verifique o volume dos seus fones

E já agora do seu carro! Ninguém quer ouvir a sua música, nem ser incomodado pelo seu ruído!

Evite bater na poltrona da frente

Nos transportes públicos (autocarro, avião, etc), nada mais incomodativo do que levar com joelhadas nas costas porque a pessoa de trás não quer saber. Da mesma maneira, reclinar o banco para trás, carece de verificar se a pessoa está a utilizar a mesa e se vai ficar com espaço suficiente.

Não exagere nas redes sociais

Divulgar zangas de pessoas próximas é uma exposição que ninguém gosta. E tirar fotos e colocar na internet sem perguntar se essa pessoa se incomoda, também. Caso pretenda publicar, pergunte se o pode fazer. Cada um tem direito à sua privacidade.

 

Basicamente, tentemo-nos colocar no lugar da outra pessoa, e já trataremos os outros com mais civismo  

(queria colocar aqui o link da publicação, mas já não o consigo encontrar...)

Pequenos Grandes pensamentos #37

De que serve ter uma pessoa a dizer-nos uma coisa e depois ter atitudes inversamente proporcionais?  

Uma atitude devia valer sempre mais do que uma palavra, pessoas!!

 

18447247_1452232848174598_2164443084283114130_n (2

 

Reconhecer o desconhecimento

Porque custa tanto admitir que não se sabe?

Há pessoas fazem tudo para evitar dizer que não sabem fazer determinada coisa. É idiota, porque mais cedo ou mais tarde, os outros vão perceber. E seria mais honesto confessar logo, faria mais sentido e seria melhor aceite por todos os outros.

 

Em Bordéus, levei 2h30 a submeter uns ficheiros na nossa plataforma, o que supostamente deveria ter sido conseguido em 15 minutos. Tudo porque a pessoa responsável por nos enviar o ficheiro com o formato necessário  ainda desconhecia o novo sistema e não teve a coragem de o confessar. Acabei por perder duas horas e meia de volta de um ficheiro que o sistema me dizia sistematicamente, estar corrompido.

 

Após alguns telefonemas (que eu sugeri que ele fizesse, senão ainda estaríamos por lá), lá percebeu onde estavam os erros, corrigiu e enviou-mos de volta. Foi um instante, por fim... 

 

Mas toda esta situação me fez pensar na coragem que devíamos ter em assumir que esta é a nossa primeira vez...

Aeroporto Lx

Não há vez que chegue ao aeroporto de Lisboa que uma pequena irritação não me invada. Se não temos a sorte de sair directamente pela manga, o autocarro leva-nos à pontinha do aeroporto e nós temos de fazer aquela caminhada toda até à saída.

Porquê? Porquê esse passeio forçado? Ninguém compra nada à chegada!!! Porquê nos fazer passear por toda a zona comercial de novo??

É para parecer que as malas não levam tanto tempo a chegar ao tapete? Esqueçam... Porque continuamos a achar que leva imenso tempo. Já tenho esperado quase uma hora por uma mala.

 

Por isso, sempre que posso, prefiro levar menos, mas chegar a casa antes! 

Verão já apetece, mas e o resto?

Hoje entusiasmada com o calor que já se faz sentir e os vestido de verão que já vesti, dirigi-me para a manicure.

Tinha marcação pois faço as unhas de 3 em 3 semanas. Elas até aguentariam muito mais, mas as minhas unhas crescem à velocidade da luz e ao fim de 3 semanas, tenho já o verniz muito baixo  e portanto já não gosto de ver.

 

chegada lá não sabia de que cor as pintaria. Ando ou aliás, tenho andado com azuis, roxos, esverdeados, e apetecia-me mudar. Optei pelos rosas.

IMG_20170530_154614.jpg

E agora não consigo teclar sem olhar para as unhas porque elas atraem os meus olhos como se de um precipício se tratasse. Não sei se me vou habituar, ou se tenho de ir mudar...

Na 5ª feira tenho marcação de pés, portanto se não me habituar, nessa altura mudo 

 

E de novo o bom do tremoço...

tremoco-doutissima-istock-getty-images (2).jpg

 Falei há dias do tremoço para referir que nada me sabe melhor na primavera e no verão (e por vezes no outono e no inverno), do que uma boa dose de tremoço e uma imperial a acompanhar.

 

E no domingo, antes de ir para o aeroporto, estávamos a beber umas cervejas e eu comentei que uns tremoços ali é que caíam bem... Tremoços?? Bem e como traduzir. Não sei. Procurámos, Lupins. Lupins portugais, dizia o google. Procurámos as imagens.  Ninguém, e éramos  um grupinho de 10 pessoas, conhecia através da foto. Nunca tinham comido, com excepção do Joël, que já esteve em Portugal diversas vezes. Mas mesmo ele afirmou nunca ter visto em França.

 

E com explicar àquela gente, o que estão a perder? Ok, eles têm os macarons, mas cada vez que lá vou, trago um caixote deles, portanto conheço as coisas boas deles...

Mas não conhecerem tremoços?!? No Brasil, apesar de saber que algumas cervejarias os têm, nas vezes que lá estive, também nunca vi.

 

E quantas mais nações estarão a perder a oportunidade de degustar este petisco? 

Já têm visto tremoços por esse mundo fora?

Livro Secreto - Round IV

Terminei o round 4 do Livro Secreto da MJ. Este foi o quarto livro de um total de 27 que andam a circular. 

 

O Ladrão de Sombras.jpg

Li-o num instante. Levei-o comigo para Amsterdão e tive uma luta interna porque desejava lê-lo ininterruptamente e tinha coisas importantes para fazer, tais como sair do hotel , trabalhar e passear. Mas confesso que em todos os minutos livres, estava de volta às suas páginas. Falo do Ladrão de sombras de Marc Levy.

 

Gostei da separação do livro em dois capítulos, o narrador criança e depois o narrador adulto, estudante de medicina, tentando dar a volta às situações mal resolvidas da infância. 

E a ternura, a inocência e o dom do narrador são os pontos que jogam a favor do sucesso deste romance. Depois, há toda uma história escrita com muita sensibilidade, muito humor, medos, angústias e o crescimento e a aceitação das situações da vida.

 

Este livro fala-nos do dom que o protagonista tem de, no contacto da sua sombra com a de alguém próximo, fica a conhecer as angústias mais profundas dessa pessoa, e a partir daí, muitas vezes, mesmo sem querer, acaba por influenciar a vida dos outros.

 

A capa diz que se trata de 'Uma história de amor magistral', mas acabei por perceber que não se trata de amor entre duas pessoas, mas sim bastante mais profundo que isso.

 

Livro enviado por mim: "Ferrugem americana" de Philipp Meyer

*************************************************************************

Fevereiro 2017 - "Ás terças com Morrie" de Mitch Albom

Março 2017 - "Obrigada pelas Recordações" de Cecelia Ahern.

Abril 2017 - "O Velho e o Mar" de Ernest Hemingway

Maio 2017 - "O ladrão de sombras" de Marc Levy

Quem nunca... #33

Apresentou reclamação aos pais por defeito de fabrico?

Eu já!

 

Então passo a explicar. Desde que me lembro que para usar óculos de sol, eles têm de ter determinados formatos, para não se notar um certo desnível.

Porque tenho uma orelha uns milímetros mais acima do que a outra. Ou uma mais abaixo do que a outra  

Ainda hoje, quando coloquei os brincos, reparei que um ficava um nadinha mais abaixo que o outro. Bem sei que isso são coisas em que só eu reparo, mais ninguém, mas ainda assim...

 

E vocês já se queixaram aos pais de algum defeito de construção?

O meu pai achou imensa piada e ainda fala nisso, volta não volta 

You can't skip Portugal

Esta campanha está espectacular.

Começa por um aviso de que o vídeo foi inteiramente filmado em pleno inverno - Dezembro. Depois, o actor britânico James Palmer acabou por passar cerca de 4 horas na água (na Madeira), e tomou banho voluntariamente.

São 3 vídeos, com frases poderosas:

"Quantas vezes disseste eu vou e ficaste no mesmo lugar, com os pés agarrados ao chão?"

"Quantas vezes olhaste para a tua vida de um outro ponto de vista e percebeste que afinal naquele momento estavas no local errado?"

"Lembra-te que por muito pó que tenhas nos olhos, não sabes o que virá: uma onda de 2 ou de 30 metros"

Um dos vídeos foca-se na natureza, outro é mais urbano e o terceiro, mistura Douro, vinho e rio. 

No Algarve e na Nazaré, os pescadores fizeram mesmo uma caldeirada para oferecer à equipa de filmagem e eles ficaram tão rendidos, que acabou incluída nos vídeos... Tal é a força da nossa simpatia e arte de saber receber.

Pág. 1/13