Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

10 coisas que odiamos no Verão #10

Neste último post sobre coisas que odeio, vou-me cingir às faltas de civismo. Por vezes, nítidas, maldosas, outras só de quem se vê que está numa de descontra e nem se apercebeu...

 

#1 Estar dentro de água no mar e quase levar com uma prancha de um rapazote que se distraiu e entrou na zona de banhos. Ou uma moto de água - já vi!

 

#2 Pessoas a jogar raquetes, bloomerang, etc, tão perto das pessoas que inevitavelmente acabam por atingir alguém...

 

#3 Casais que estão praticamente a fazer amor na toalha ao lado, e por vezes nem é cinema mudo, é com direito a áudio e tudo!

 

#4 Beatas na praia. E não falo daquelas que nos batem à porta a um domingo às 9h00 da manhã . Falo mesmo das beatas de cigarro que muitos ainda enterram descuidadamente na areia. Ou os que abandonam o lixo no final do dia, quando vão embora...

IMG_0340-1.jpg

 São todos, comportamentos menos civilizados de quem se esquece que a praia não é só sua!

 

E na próxima semana começam Os Amores de Verão!! 

Yupppi!!! 

Esquecimentos

IMG_20170719_160648.jpgSabem quando colocam um asterisco na mão para se lembrarem de uma determinada coisa...

 

... e depois já não sabem o que é?

 

O meu colega diz que preciso de uma nota para me lembrar da nota  

 

Sou só eu que faço estas figuras tristes 

 

Empratamento exagerado? Acham? Talvez não...

Estava a ver esta galeria de fotos e achei tanta piada porque ainda que uns sejam bem interessantes, outros são WHATTT???

 

Só para vos abrir o apetite para as restantes fotos, digam lá se este cozinheiro/chef não exagerou para lá do razoavelmente aceitável 

download.jpg

 

10 coisas que odiamos no Verão #9

Pessoas nuas ou em tronco nu.

 

Calma, eu explico melhor.

 

Pessoas nuas.

Odeio ver pessoas incomodadas porque uma "bifa", em praia familiar, bem no meio da cidade, resolveu fazer nudismo. Sim, o nudismo devia ser feito apenas em praias de nudistas. Se é sempre assim? Não. E normalmente acaba sendo chamada a Polícia Marítima... para a retirar da praia e acalmar alguns mais susceptíveis que acabaram por incomodar com os seus berros, as pessoas que até esse momento nem se tinham sentido incomodadas. 

 

Pessoas em tronco nu.

Fora da praia. Estar num restaurante ou na fila do supermercado e estar a centímetros de um barrigão com alguns pêlos mais acima, assim quase em cima de nós ou no nosso ângulo de visão, enquanto levamos uma garfada à boca... Poupem-me!

barriga.jpg

Há locais para tudo e as pessoas às vezes, só porque estão de férias, perdem um bocadinho a noção dos limites!

(conseguem olhar para a foto sem cantarolar a música? eu não...)

 

Quem nunca... #38

...ao querer comprar uma televisão, se deparou com a indicação 32 polegadas / 43 polegadas?

 

Mas que porra é esta?? (desculpem, mas porra no sul não é palavrão)

 

E agora como é que eu sei o que é isso? É maior ou mais pequena do que a que eu tenho? Vai caber no móvel da televisão? O que é uma polegada? Mas quem raio usa polegada como medida? Desde quando? Há fitas métricas em polegadas? Quantas polegadas mede o meu móvel? E a parede onde está o meu móvel? 

 

Tanta dúvida já me deixou cansada... Vou adiar a compra mais uma ou duas semanas, a ver se faço um workshop rápido sobre esta coisa!

 

Patrões filhos da mãe

Esta semana uma amiga contou-me que um conhecido restaurante da minha cidade faz uma sacanice.

 

Basicamente no final do mês, o dono conta as gorjetas, divide-as pelo número de funcionários e desconta esse valor ao ordenado que lhes paga.

Ou seja, quando nós lá deixamos gorjeta para o funcionário, estamos a dar uns euros não ao funcionário mas ao dono do restaurante! 

 

Fiquei indignada. Estas atitudes por parte de quem supostamente é o coordenador de toda aquela equipa mostram bem o quão mesquinhos são alguns patrões. Para além de lhes pagar o mínimo ou pouco acima do mínimo, ainda mete ao bolso, livre de impostos, o valor das gorjetas. Fiquei sem nenhuma vontade de lá voltar, apesar de ser um dos mais famosos da zona...

 

Faz-me pensar se será caso único ou se haverá mais restaurantes a exercer esta filosofia... Não acham uma filhadap@tice?

10 coisas que odiamos no Verão #8

Axilas com pêlos.

 

Sabem aquelas senhoras todas pipis que depois se esquecem que agora no verão têm de estar mais atentas às pilosidades?

 

 

Pois é, agora no verão vê-se muito...Bem sei que é chato estar a passar a lâmina mais frequentemente, mas se vamos vestir alças ou cavas, é o mínimo, não acham?

Os pêlos até podem estar pequenos, mas continuam a ser pêlos! E normalmente há sempre um movimento em que se vêem 

axilas.jpg

 

E o mesmo se aplica ao bikini ou fato de banho! Virilhas limpinhas se faz favor!! 

 

Iman de frigorífico

Sim, sou daquelas pessoas que enchem o frigorífico com imans comprados nos diversos locais por onde passo. Mas muitos colegas meus são como eu. Outros coleccionam fotos de cappuccinos nas diversas cidades do mundo, enfim...

 

No outro dia, estava em Paris com um amigo do Brasil e ele diz-me que tem o avião de regresso às 4h da manhã do dia seguinte, mas que ainda tinha de tentar comprar um íman de Paris.

E remata:

- Tenho já tanto troço desse, que vou ter de comprar uma segunda geladeira, que não cabe mais, não! 

IMG_20170719_083444 (2).jpg

(Foto de parte do meu frigorífico)

 

Trumpcare

E porque será que o Obamacare não foi revogado?

Porque a alternativa era deixar 22 milhões de pessoas sem cuidados de saúde durante 10 anos.

Apenas alguém que só pensa no seu umbigo e no dos seus amigos milionários, poderia querer avançar com uma tal proposta.

 

Porque saí da tua vida

Ouvi-te no outro dia, num programa de televisão. 

E se bem que tenha mudado de canal imediatamente, fez-me recuar no tempo para um período primeiro muito feliz e depois, muito triste. Mas é assim com quase todos os amores, não é? Só alguns felizardos encontram a sua alma gémea, e mantêm-na para sempre. Sem mortes, sem traições, sem abandonos...

Mas quando te ouvi, vieram ao de cima muitos sentimentos.

A única coisa que consegui pensar foi que a culpa foi tua. E vislumbrei nos meus olhos a raiva, a mágoa. Continua cá tudo, depois de todo este tempo.

Depois fiquei a pensar que colocar a culpa toda em ti é fácil de mais, tão óbvio. Vim embora porque não conseguia lidar com a situação, porque tive mesmo de o fazer. No meio de todo aquele processo, eu terei tido alguma culpa, certamente.  

E para conseguir, tenho de dar o salto para o outro lado, o lado em que ultrapasso tudo isto e volto a aceitar um homem na minha vida. Porque das trevas, saí eu naquela altura, só estou com dificuldade em chegar ao sol e à luz.

 

Então vamos por partes:

Saí da tua vida porque nos últimos tempos, quando te pedia que me abraçasses, davas-me pouco calor. Talvez não tivesse pedido da forma correcta, talvez devesse ter procurado de forma diferente, mas foi o bastante para querer sair dessa sombra.

Saí da tua vida porque quando nos conhecemos, me apaixonei por ti mas não só por ti, pela ideia de nós juntos. Pela ideia de me entregar a alguém seriamente depois de um período de relações sem laços após o luto. Pela imagem de seres tão independente. Tão independente como eu. Achava que ficaríamos bem juntos. Mas nunca fomos um casal, apesar dos 3 anos que estivemos juntos. Eu sei que não é justo achar insuportável numa pessoa as mesmas coisas que nos levaram a estar com ela. Mas é o que acontece com toda a gente...

Saí da tua vida porque foi nascendo em mim um fosso de ressentimento e solidão onde eu me fui afundando. Um pouco mais a cada dia que passava, até não suportar continuar a imaginar-me contigo.

Saí da tua vida porque só se vive uma vez e eu não podia fingir que não sabia.

Saí da tua vida porque me apercebi que não consegues ser de outra forma. Nestas últimas semanas tenho trabalhado para não te culpar por isso. Eu sei que é difícil mudar. Para isso, essa parte de ti teria de morrer e nascer outra. Se te dei a oportunidade de mudar? Eu sinto que te dei essa hipótese em cada um dos 3x365 dias que estivemos juntos.

Saí da tua vida porque nunca me amaste. Não de verdade. Hoje sei isso. Não faz mal. 

Saí da tua vida porque sempre te fui fiel e tu nem por isso. Bem sei que nunca te dei a oportunidade de te explicares, que só consegui sentir nojo de ti quando me apercebi de toda a dimensão da traição.

 

Saí da tua vida. E agora tenho de seguir em frente. Sem ódio nem raiva. Perdoando-te porque não sabes ser de outro modo.

Deixo-te para trás, em nome do amor que mereço voltar a viver, ainda que nos últimos tempos tenha andado a fugir das oportunidades.     

Pág. 1/7