Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

A saúde em Portugal

Uns dias antes de sair de Portugal, soube que o DN publicou um Perfil de Saúde da União Europeia onde os dados nomedamente em Portugal, ainda que não sejam desconhecidos, não são animadores para nós.

 

Que nós já sabíamos que a saúde em Portugal não é igual para todos, sim.

Que nós já sabíamos que a condição económica condiciona a saúde de cada um, sim.

Que nós já sabíamos que a esperança de vida aumentou, sim.

Uma em cada 3 pessoas com dificuldades financeiras é um hipertenso não tratado (o acesso a cuidados de saúde e medicação). Em pessoas com posses, o número desce de uma em cada 10. Isto também já sabíamos, se bem que ganha uma outra preponderância ao estar ali, preto no branco!

 

Agora o que nós não sabíamos é que embora tenhamos a mesma esperança média de vida do Norte da Europa, temos menos 15 anos de esperança média de vida com saúde. Ou seja, basicamente quando as pessoas se reformam, a qualidade de vida é baixa. E isto entristece-me, saber que vivo num país que não cuida dos seus. 

 

Mas este pensar pequenino, em que se poupa na saúde - deram-se conta que há um par de meses (em 2017!!!) foram aprovados os protocolos para todos os centros de saúde terem um - (um??) dentista? -, vai-se reflectir nos gastos que o estado terá mais tarde com os idosos.

Queremos idosos como os nórdicos, que passeiam, se mexem e vivem com boa qualidade de vida? Ou queremos idosos envelhecidos como os que enchem todos os dias, todos os nossos centros de saúde?

As Cataratas

IMG_20171128_125354.jpg

Só para aguçar o apetite para o post das Cataratas, que farei quando regressar.

Ocorre-me uma única palavra: PODEROSO!!

IMG_20171128_132122.jpg

 

A noite resolve?

Fiz um ato isolado há cerca de uma semana no site das Finanças. Assinei, enviei pelo correio.

 

Passados 5 dias, estou na caminha a dormir, e acordei assarapantada, às 4:48h: Fiz o ato isolado de 1200! Devia ter sido de 1300!

 

Algures dentro de mim, eu sabia que o ato isolado estava errado, tanto é que fui processando a informação até esta noite.

 

Já não é a primeira vez que uma solução, ou um esquecimento me ocorre assim, a meio da noite.

Por isso as expressões dos nossos avós : a almofada é nossa aliada! A noite é boa conselheira!

E outras que tais...

 

E vocês, também aproveitam a noite?

 

Uma alternativa provável

Não sei se tiveram a oportunidade de ver este artigo, no Sapo. Eu vi e fiquei impressionada. 

Quando pensamos que estamos condenados, que os recursos estão a acabar, percebemos que o ser humano é muito engenhoso e procura - e muitas vezes encontra - novas soluções.

 

Um voo oriundo de Pequim com destino a Chicago usou azeite reciclado como combustível! 

 

Para além do que é óbvio, o uso desta alternativa reduz de 50 a 80%, as emissões de dióxido de carbono, quando comparado com os combustíveis tradicionais.

 

Já em 2015, a mesma companhia aérea utilizara num voo comercial, um biocombustível feito a partir do que eles chamam óleo de sarjeta, ou seja óleo de cozinha já utilizado, e para isso recorreu a óleo de cozinha recolhido nos restaurantes da China.

Em 2014 uma companhia aérea finlandesa fez o mesmo num voo entre Helsínquia e Nova Iorque.

Lembro-me de há um par de anos, saber que em Loulé, havia carros a moverem-se a óleo alimentar.

 

Então porque não escolhemos esse caminho, se parece tão promissor? Bem, até poderá ser o futuro, mas para já tem de se conseguir baixar os custos. Dizem os estudiosos que apenas quando a sua utilização se tornar menos dispendiosa, se poderá tornar uma real alternativa.

Toronto - chegada

Já cá estou.

Depois de uma viagem interminável.

Depois de uma escala no Porto (que eu já nem me lembrava que faria).

Depois de 1 hora nas filas da emigração, para finalmente sair do aeroporto.

Cheguei ao hotel às 19h00. É meia noite aí em Portugal. Mas apesar de me ter levantado às 7h00, estou com o gás todo e tenho de ir dar uma volta.

Fui familiarizar-me com o metro. Pedi quatro passagens. deve ser suficiente para 2 dias. Porque depois já estarei na minha bolha com os meus colegas. Dei a nota de 10 dólares. O senhor devolve-me 4 moedas pequeninas e mais umas grandes. Fico à espera. Ele olha para mim impávido, tipo "o que é que esta quer?". Eu pergunto, Os bilhetes? E quando ele responde que já mos deu, ilumino o rosto e pisco-lhe o olho: ah as moedinhas? (santa figura...)

 

Sigo para as avenidas maiores. Percorro-as todas (ainda bem que levei as meias de descanso na viagem e não tenho os pés feitos num trambolho). Meto conversa com alguns canadianos de passagem. Só para testar se são simpáticos e se respondem às perguntas. Confirmo. São simpáticos e ajudam.

 

Como ainda não me habituei às temperaturas, opto por ir conhecer esta noite o Eaton Center. Trata-se do centro comercial enorme, subterrâneo para proteger das temperaturas gélidas do inverno. Contei 3 ou 4 pisos para baixo. Fiquei na dúvida se um deles se chamaria piso. Enorme em comprimento, construídos debaixo e ao longo da Rua Dundas - ou será da Queen? Os Canadianos dominam o norte, sul, este, oeste. Dão assim as indicações. Eu nem por isso...

 

E porque vou dormir para amanhã ir às Cataratas - a operador vem buscar-me ao hotel cedinho - deixo-vos aqui com uma primeira selecção de fotos. É só clicar na seta!

A Árvore de Natal 2017, que apanha todos os pisos

Uma das 3 renas que se enconram no piso intermédio

No supermercado aberto 24h, em frente ao hotel e onde fui comprar uma garrafa de água, encontrei...pois! "authentic portuguese custard tarts". Pastéis de nata pois então. Em embalagem e depois avulso, junto à caixa de pagamento. 

 A Praça quase no final da Dundas Street, tão iluminada que quase parece dia

 

Queres comprar carro?

E não, não estou a vender.

Mas apanhei um programa na Sic Notícias muito interessante sobre a compra de carro em segunda mão.

Ainda há um mês ou dois, comprei um carro em segunda mão para o meu filho. Claro que vivo numa terra pequena e quando o stand me disse que o carro era de uma professora, pude comprovar junto de uma entidade que sim, era mesmo. Mas quando estes conhecimentos/cunhas não existem, ou em cidades maiores, é mais complicado. E ainda assim, fiquei sem saber se os kms tinham sido martelados...

 

Então vamos ver. Temos sempre a alternativa de pedir ajuda a um mecânico conhecido. Mas há coisas que nem o mecânico pode adivinhar. Há sempre também a alternativa (se o vendedor autorizar - e foi o que fizemos) de proceder a uma inspeção alternativa. Ninguém no Centro de Inspeções pergunta de quem é o carro, limitam-se a verificar nº quadro, luzes, a segurança, emissão de gases, suspensão, pneus, travões, folgas e fugas de óleo. Só não podem desmontar peças para ver o que está lá dentro. Sabias?

O mesmo preço que pagamos normalmente na nossa inspeção - 30,70€. O Centro de Inspeções não te pode dar os quilómetros anteriores, mas há uma entidade que o pode fazer. Por 30€ presencialmente ou 27€ on-line, podes pedir ao IMT que te dê o histórico de um qualquer veículo. Só tens de saber a matrícula.

Lá constam todas as inspeções que fez e os quilómetros que tinha a cada uma delas. 

 

E quando o carro vem do estrangeiro? Ainda melhor!

Há duas páginas onde isso pode ser consultado através do nº do quadro do carro: www.autodna.com e uk.vin-info.com.

São apenas 10€ e nos países do norte da Europa, estas páginas até mostram os acidentes que o veículo teve e as fotos que os peritos tiraram do acidente.

 

Vamos ter cuidado para não sermos enganados? 

Só para Bravos - O filme

1

E ontem, a última ida ao cinema do ano, penso eu.

Aproveitei o filhote e a namorada estarem cá de fim de semana e fomos fazer uma sessão de cinema.

Não me tinha apercebido que se trata de um filme inspirado numa história verídica, de uma unidade de elite de bombeiros - a primeira de um município nos USA e que ajudou a proteger populações, combateu fogos e foram heróis.

 

Conta a história de um grupo de 20 anos que treina durante 4 anos para serem reconhecidos como Corpo Especialista na arte de combate ao fogo e que durante uns anos, combateu inúmeros fogos em todo o país.

É uma história muito presente para nós que enquanto vemos o filme não nos conseguimos desligar dos fogos de junho e outubro que assolaram o país.

E depois é uma história que sendo verídica, não termina "e são todos felizes para sempre" .

Vale a pena ver e vale a pena perceber certas técnicas de fogo e contrafogo utilizados, métodos de trabalho e equipamentos disponíveis. Há uma cena extraordinária em que o avião que vai lançar a água sobre uma casa para a proteger do fogo que se aproxima, e as câmaras são colocadas de maneira a que percebemos o imenso impacto que é a queda daquele volume de água daquela altura. 

E uma parte final que apela aos lenços de papel.  E mais não digo. Vão ver! 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Natal

Não sou muito fã do Natal. A vida não foi simpática comigo nesta altura do ano, o que fez com que os dias de Natal tenham ficado manchados e não tenha hoje em dia a mesma importância.

Gosto de fazer árvore de Natal - ainda que o ano passado a tenha desmanchado dois dias depois já que o meu gatinho novo arranjou ali entretenga. E as minhas bolas são de vidro. Portanto optei por fazer com as bolas uma 'árvore de natal' improvisada e a árvore voltou para a arrecadação. Este ano não sei como vai ser...

Para já porque não estou cá dia 1 - só volto dia 5. E depois porque o meu gatito, que já não é tão gatito, ainda tem espírito de 'criança rebelde' 

 

Vou-me assim regalando com as luzes da minha cidade. Estas são de uma das rotundas. Achei lindo!

  IMG-20171121-WA0001.jpg

 

O nascer do sol de hoje

IMG_20171125_071508.jpg

Acordar de manhã e ter o privilégio de ver um céu destes, é tão compensador!

 

Sapo e sapos

Há dias pensava nesta plataforma que me recebeu, e no bem que me sinto aqui. E na imagem que tenho do Sapo, que é muito parecida com esta que abaixo vos deixo. Sorridente, feliz, de braços abertos.

SQ5uhSvn_400x400.jpg

 Muito diferente do único sapo com que interagi durante toda a minha vida - e ao longe, diga-se de passagem - e que resultou na morte de um dos meus cães, depois de este ter dado uma dentada no respectivo...

 

E isto para dizer o quê? Que as perspectivas podem mudar e aquilo que nos parece assustador (e nojento), pode depois alterar-se e passar a ter uma outra imagem e importância na nossa vida. Portanto,

Keep open mind!! 

 

Pág. 1/5