Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

À descoberta dos Bloggers

Ontem ajudei a completar, com esta historieta sobre mal-entendidos, o desafio a que o Triptofano se dedicou nos últimos dias, com base numa ideia saída do jantar de Natal de Bloggers que teve lugar em meados de Dezembro.

Passem por lá e conheçam as outras 24 perguntas deste desafio 

 ***********

Falo algumas línguas. Gosto de mostrar o esforço quando vou a algum país. Assim como nós gostamos quando um estrangeiro vem cá e se esforça por dizer algumas palavras em português.

Há muitos equívocos que podem acontecer quando comunicamos com alguém.

Especialmente se não for na nossa língua. 

Especialmente se mesmo que fluentes na outra língua, não se trata do inglês que conhecemos. 

Especialmente quando ao inglês do Canadá, se junta uma certa pronúncia regional.

Estão a ver a coisa?

 

E foi o que aconteceu numa conversa que tive durante uns bons 15 minutos, com um canadense que me jurava a pés juntos que o cunhado tinha estado em Portugal este ano e que tinha finalmente encontrado uns “djjins” que eram um sonho.

Comecei freneticamente a procurar o que poderia ser e lembrei-me da marca de Jeans Salsa. Expliquei-lhe que Salsa era uma marca portuguesa e que tinha em especial atenção a figura feminina e as curvas portuguesas (a acompanhar, fazia aquele gesto das duas mãos a ondular, exemplificando a anca feminina) e repetia female shape.

Ele começou a falar menos e eu a falar cada vez mais, entusiasmada pelo facto de um estrangeiro ter gostado de uma marca de calças de ganga portuguesa. E quando começo a falar, entusiasmo-me mesmo! E então comecei a falar (não sei porquê) das calças de ganga brasileiras que assentam que nem uma luva. E repetia o gesto com as mãos.

 

Até que ao fim de uns 15 minutos ele me diz, com uma cara estranha:

- I don’t think we are talking about the same thing…(penso que não estamos a falar da mesma coisa)

O meu cunhado adorou o vosso gin (ler dgin) – e faz o sinal de bebida, de polegar à boca!!

 

Todos os que estavam à mesa, se desmancharam a rir, porque todos tinham entendido “djins” de jeans e não de gin, tal como eu. Até os americanos presentes. Portanto, estavam embevecidos a ouvir a minha explicação sobre calças de ganga portuguesas, com tantos gestos à mistura e referências às curvas femininas…  

18 comentários

Comentar post