Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

A minha criança

Já tem 21 anos, mas será sempre a minha criança.

 

Tivemos uma vida cheia, com muita cumplicidade. Basta dizer que o meu marido morreu quando o filhote tinha 2 anos e eu nunca lhe quis impor outro pai. Portanto basicamente fui mãe e pai. E daí nasce uma relação muito forte. Não sei como teria sido se continuássemos a ser 3 ou eventualmente 4, mas não adianta ir por aí, pois não?

 Apesar disso, ou talvez por isso, ele cresceu sendo muito responsável, muito assertivo, sem me dar grandes problemas. Viveu a infância da forma que uma criança deve viver, mas sempre com a sombra de só ter a mãe. Lembro-me que quando fazia as minhas viagens, nas noites em que eu devia chegar, ele ia acordando e perguntava à avó se eu tinha chegado. Assim que ela lhe dizia que sim, que eu já estava em casa, ele finalmente despreocupava e dormia sem interrupção. O ser órfão de pai... eu sei.

Mas cresceu e tornou-se num homem com princípios, que sabe o que quer da vida (se o vai conseguir o não é outro filme), que luta pelo que quer. Que sabe que nada se consegue sem trabalho e perseverança. E que apesar de estar no segundo ano da faculdade, tem feito voluntariado no sentido de ganhar currículo e experiência na sua área. 

 

Consigo ver o quanto a minha criança se tornou um adulto que se preocupa com os outros, se aplica, vê a vida com simplicidade e acima de tudo valoriza o que deve ser valorizado.

Foi bom vê-lo ganhar asas e sei que um destes dias vai mesmo sair para o Mundo. E estou ansiosa para que conquiste o seu espaço e se consiga realizar. Acabou por seguir o meu mundo, aquele onde sempre viveu e cresceu, apesar de eu tudo ter tentado para que seguisse outra via, mas hoje sei que é nele que quer vingar. Sei que terei de me retirar daqui a algum tempo, para deixa-lo ocupar o seu próprio futuro, sem "mães" na fotografia.

Não me importo. O futuro é dele. E o amor tem destas coisas.

 

Portanto, neste dia da criança (o primeiro desde que tenho o blog) não quis deixar de registar aqui o quanto a minha criança me faz feliz e me deixa orgulhosa.

 

20 comentários

Comentar post