Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

Alto desempenho incompatível??

20170615_Jornal_i.png

 Ontem nas notícias mostraram as capas dos jornais, como fazem diariamente.

A capa do i falava acerca da profusão de dirigentes políticos europeus agora sem filhos.

E isso fez-me pensar na situação das mulheres. Porque uma mulher para estar ali, teve de abdicar de muita coisa, teve de fazer opções. Opções essas que ao homem normalmente não estão afiveladas. Se o homem não teve filhos, é muitas vezes uma circunstância da vida. Por exemplo, no caso do Macron, a paixão pela esposa, ela sim, já com filhos. Mas para a mulher, (e não digo que não possa ser circunstancial), normalmente é uma opção.

 

E se esta capa me fez discorrer sobre o assunto foi porque me identifiquei com isso e me lembrei do mais recente abandono por parte de uma colega cujo filho está a crescer e ela não consegue ausentar-se durante uma semana e saber que perde toda uma série de primeiras vezes.

E a verdade é que não tenho mais nenhuma colega no mundo que após engravidar, ou quando a criança começou a crescer, tenha continuado. Ou seja, actualmente existo eu com um filho e uma série de outras mulheres que por motivos médicos ou por opção, não tiveram filhos. E porque continuei eu? Porque sempre achei que conseguiria fazer as duas coisas. E fiz ambas, bem. A avaliar pela pessoa que hoje já é adulta. 

Se perdi coisas? Claro. Não dei a primeira sopa, não vi os primeiros passos (só em foto), mas por outro lado consegui compensar quando estava cá e apesar das ausências, ele conseguiu criar um vínculo com o que eu faço e que muito possivelmente será também o seu futuro.

 

Ainda ontem fomos ambos fazer uma caminhada de uma hora, juntos. Ele preparou a garrafa de água, o mp3. Eu perguntei para que queria o mp3. Porque depois posso ouvir música. E achas que não vamos conversar?

À chegada, retirei o mp3 da bolsita e entreguei-lho: achavas mesmo que ias precisar disto? que não íamos ter tema de conversa para 1 hora? 

6 comentários

Comentar post