Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

O meu ano 2016, pra começar

Este é o meu primeiro post.

Não que tenha muito jeito para escrever. Mas a necessidade de escrever tem vindo a crescer e assume hoje, primeiro dia do ano, o seu expoente máximo. Veremos ao longo de 2017, se a prática torna a coisa mais fácil, mais espontânea.

O que dizer de 2016. Contrariando quase todos, o meu ano foi espe...e agora? novo acordo ortográfico ou não?? Confesso que existem palavras que me fazem optar pelo novo, mas outras arranham tão profundamente que não as consigo soletrar no papel. Então, talvez meio-meio... Vamos lá tentar novamente:

O que dizer de 2016. Contrariando quase todos, o meu ano foi espetacular. Foi um ano de realização pessoal, de muitas viagens e de alguns - poucos - pontos negativos.

Comecei o ano no spa. Adorei e disse querer repetir, o que não se veio a concretizar. Iniciei a hodroginástica, mas não me apaixonou, pelo que acabei por abandonar ao fim de 5 ou 6 meses. Há alguns anos que penso no yoga, este talvez seja O ano. O meu filho terminou o seu primeiro ano na faculdade positivamente o que me encheu de orgulho. Fui a Lisboa e a Faro para alguns espetáculos culturais (stand-up, teatro e ballet) e adorei o ballet. Pena não ter consigo a seguir ir ver o Lago dos Cisnes - bilhetes esgotados com excepção do dia de Natal... Fiz obras na minha cozinha. Tentei voltar ao exercício físico depois de uma queda na Suiça em Outubro 2014, mas acabei a levar injeções de cortisona. O meu gatito morreu de problema hepático uns dias antes da minha ida para o Rio. Terminei o ano a fazer um check-up para tentar perceber o motivo de ter sido obrigada a deixar de beber vinho tinto e depois branco e os outros todos, há cerca de ano e meio, por me causar tantas dores de cabeça (e não, não por excesso!). Terminei o ano também a decir que prezo mais o conforto do que a aparência e portanto abandonei o tipo de sapatos que usava e depois de procurar bastante, optei por uma conhecida marca ortopédica que apesar de não serem glamorosos, são super confortáveis! 

Numa outra vertente, fiz um Campeonato do Mundo, várias Taças do Mundo e os Jogos Olímpicos. Topo de carreira! Visitei 7 países em provas: Itália, Inglaterra (twice, uma a trabalho e outra de férias com amigos), Alemanha, França, Suiça, Holanda e claro Brasil. Neste enquadramento, dos JO, fui integrante da Missão Olímpica recebida pelo Presidente da Républica aquando da recepção em Julho, no Palácio de Belém. Dei formação a nível nacional e internacional pelo que senti o reconhecimento das minhas federações. Saí da presidência de um Orgão a que pertencia e passe para Presidente da Mesa da Assembleia, depois de mandatos que cumularam em 12 anos.  

Portanto sim, foi um bom ano. Que venha 2017 e tudo faça para competir com 2016.