Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

USS Indianapolis

MV5BYmYxYjAxNDItZWY2NC00MTE1LWIxNGMtZjkzOTM3MzIwM2

 Ontem ao final do dia fui ver este filme.

E foi um dos melhores filmes dos últimos tempos. Claro que é uma americanice, mas trata-se de uma história verídica, do final da 2ª GG Mundial, quando as bombas atómicas foram lançadas sobre Hiroshima e Nagasaki.

 

O filme retrata o navio e a tripulação que em 1945, transportou as peças principais e o Urânio enriquecido para a Bomba Atómica "Little Boy", numa viagem de 10 dias desde San Francisco, até Guam e de onde o bombardeiro Enola Gay descolou para a mais terrível missão executada, mas que pôs fim à última GG. 

 

Esta missão, confidencial, "nunca existiu" por decisão do Presidente Truman, pelo que o navio partiu sem escolta nem sonares para detecção dos submarinos japoneses. E se na viagem de ida, eles escaparam (sem perceber) a um torpedo que falhou o alvo, o mesmo não aconteceu no regresso para as Filipinas.

De maneira a atravessar o nevoeiro de forma mais rápida, o Capitão McVay deixou de realizar a manobra básica em zigzag para dificultar os torpedos japoneses. Mas às 00:14h de 30 Julho 1945, o submarino japonês I-58 lançou 2 torpedos e afundou-o em 12 minutos.

300 tripulantes morreram imediatamente e os restantes 800 caíram ao mar, em pequenos botes ou apenas com coletes salva-vidas. 30 minutos após o naufrágio foram avistados os primeiros tubarões e ao nascer do sol, mais de 100 marinheiros tinham sido devorados pelos tubarões. Esperaram por um salvamento mas o facto da missão ser secreta, adiou a decisão de enviar navios. Uns pensavam que se tratava de mensagens falsas dos japoneses, para abater mais navios, outros achavam ser um erro. 4 dias depois, de forma totalmente acidental, o Tenente Wilbor Gwinn, viu os cerca de 300 homens espalhados nas águas, por milhas e milhas. Recusando as ordens directas recebidas, pousou o seu hidroavião e salvou os homens, ao coloca-los sobre as asas. Sobreviveram 321 homens.

 

O desastre do Indianapolis só foi divulgado a 15 Agosto, já depois do anúncio do sucesso das bombas atómicas. O submarino japonês que afundou o Indianapolis rendeu-se em Setembro e foi afundado pelos americanos em 1946.

Este episódio é conhecido como o maior ataque de tubarões a seres humanos já documentado.

O Comandante, interpretado por Nicolas Cage, não foi o último a abandonar o barco porque antes de ter afundado, foi projectado com uma explosão. O Governo dos USA tinha de arranjar um bode expiatório e ele foi o escolhido.

Foi acusado em tribunal militar, e acabou por se suicidar com um tiro, mais tarde.

O Presidente Clinton exonerou-o de parte da responsabilidade em 2000, numa cerimónia póstuma.

 

Impressionada ainda com a história, quando cheguei a casa, fui investigar.

 

uss_Memorial-fill-429x309.jpg

Na cidade de Indianapolis existe um Memorial onde estão listados todos os mortos na tragédia. Uma lembrança de uma das mais aterrorizantes histórias da 2ªGGM.

Na página oficial dos sobreviventes, a história condiz. Dos 1196 homens a bordo, apenas 316 sobreviveram. Apesar do comandante japonês ter testemunhado em tribunal que o facto de não ter executado manobras zigzag não fez qualquer diferença porque estavam demasiado perto.

Foram os sobreviventes que submeteram a moção a Washington para exonerar o Capitão do navio, tendo-o conseguido em Outubro 2000, mas apenas relativamente às mortes dos seus tripulantes. A questão da manobra de zigzag permanece no seu cadastro.   

 

"It can be stated unequivocally, however, that, if the Indianapolis had arrived safely at Leyte without incident, Captain McVay would never have been court-martialed. Thus, by exonerating him for the loss of the ship and the death of 880 of her crew members, the Navy Department has at last conceded that he was innocent of any wrong-doing. His exoneration is tantamount to an admission that he should never have been court-martialed in the first place.

The survivors are thankful that after 56 years the good name of their captain has been cleared. Please browse our site for more in-depth information". 

4 comentários

Comentar post