Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

happyness is everywhere

Pérolas

No sábado, na região das vinhas de Bordéus, uma reunião. Só homens e eu. 

Levava num pulso o relógio e no outro umas escravas fininhas e duas pulseiras de pérolas de água daquelas com fio de pescador elástico (as meninas saberão do que falo). 

Não sei como aconteceu, mas de repente a pulseira de pérolas mais pequenas rebentou e era ver perles como os senhores diziam a saltitar pela mesa, pelo chão, pelo arranjo que estava na mesa. E sem saber como, lá estávamos todos de rabo para o ar a apanhar as ditas pérolas, a retirar as coisas do arranjo e sacar as que tinham caído lá para dentro. E depois, onde guardar? Não havia nada. Mas as mulheres são práticas, certo? E toca a agarrar uma garrafa de água vazia e jogar lá para dentro as pérolas d'água.

Fico sempre super encabulada quando acontece assim alguma coisa, porque até nem sou nada desta coisas femininas e chamar a atenção com elas, não me entusiasma muito. Até porque como já vos disse, movo-me num mundo de homens...

 

Portanto só sobreviveu a das pérolas maiores, com a pedra cinza. Devia tê-la arrumado na mala, mas optei por mantê-la no pulso . Ontem, quando estávamos de volta do porta-bagagem, eis que rebenta a outra! Mas como é possível??? Tenho estas pulseiras há uns dois anos e nunca tinha acontecido... Só posso deduzir que com o calor, o fio ressecou e ao menor obstáculo, rebentava.

Então de novo, lá ficámos de volta do porta-bagagem, a retirar as malas todas para apanhar as pérolas todas. Para onde? De novo para uma garrafa vazia 

IMG_20170529_074500 (2).jpg

 

Sem açúcar

E apesar de não ser uma resolução de fim de ano, cheguei a Maio 2017 tendo-me habituado a beber capuccino e chá sem açúcar.

 

É mesmo uma questão de hábito.

 

 

E só me apercebi disso ontem no voo de regresso quando a assistente de bordo me serviu o chá e eu tive de responder: Sem açúcar por favor

 

Meatless #14

BATATA DOCE COM SALMÃO

 

 Ingredientes: 2 batatas doces, 1 colher sopa de queijo quark, 2 ou 3 tranches salmão fumado, queijo ralado, milho (opcional), 1 ovo e cebolinho.

 

 Como chegar lá: Pré-aquecer o forno a 190ºC. Lave bem as batatas e asse-as inteiras por 50 a 60 minutos, até ficarem macias. Retire e quando arrefecerem um pouco, corte-as ao meio e com cuidado, retire a polpa, deixando cerca de 1cm junto à casca.

Com a ajuda de um garfo, esmague a polpa, junte o queijo quarke, o salmão desfiado, o cebolinho, o milho (se for o caso). Bata o ovo, tempere com salsa e pimenta e junte à polpa. Envolver bem. Se achar que precisa de um pouco mais de maciez, junte mais uma colher de queijo.

Volte a colocar a polpa com o salmão dentro das cascas, Polilhe com queijo ralado e leve ao forno numa travessa a gratinar. 

Cá em casa, como gostamos da pele das batatas, não sobra nada!! Acompanha com salada fresca.

batata doce recheada.jpeg

Bom apetite!

Caviar

caviar.jpg

Confesso que sou pobre.

Ser pobre também significa ser pobre de gostos. Gostar de tremoços em vez de lagosta. Ou preferir azeitonas temperadas em vez de caviar.

Sim, definitivamente sou pobre.

 

Há uns anos, aqui em França tive a oportunidade, durante uma recepção numa câmara municipal (mairie), de fazermos uma degustação de champanhe, acompanhado por alguns acompanhamentos. Era um apéro, já que de seguida íamos jantar com o Maire, himself.

 

Então, de copo na mão, lá fomos circulando, tirando uns salgados das travessas que passavam. A determinada altura, apresentaram-me umas tostas com um patê qualquer e umas bolinhas pretas em cima. Muito bonito.  Muito atractivas. Peguei uma. Coloquei na boca.

E achei que ia vomitar! Que aflição. Já não me lembro do sabor, mas quando penso em caviar, ocorre-me óleo fígado de bacalhau (lembram-se?). Só para que vejam!

Não conseguia engolir. Nem pensar. Então disfarçadamente, fui buscar um guardanapo. Ainda mais disfarçadamente, cuspi o que tinha na boca e depois foi só fazer uma pequena viagem até ao caixote do lixo mais próximo. Nunca mais!

 

E agora, alguém se lembrou de caviar branco. De caracol. Pelos vistos não tem o sabor a mar, mas sim a terra - como as beterrabas, mas mais suave. 1500€ o quilo. Se tenho vontade de experimentar? Niet!!

Acho que me fico pelos animalinhos que põem esses ovos. Sim sou do Sul, gosto de caracóis  

 

Destaque do Sapo

Ontem, surpreendentemente abri o blog e deparei-me com um número irreal de leituras. Mas não recebi qualquer link da equipa, portanto achei que tinha sido erro. À noite, quando cheguei ao hotel, vinha com uma neura* e resolvi espreitar os blogs que acompanho, numa tentativa de me "des-neurar". Resultou, mas depois quando fui escrever e preparar os posts de hoje, lá voltei a ver aquele número anormalmente alto. Fui espreitar os destaques do Sapo. Nada. Fui à página principal do Sapo e lá estava.

3 (2).png

Escrevi esse texto porque efectivamente por vezes não é fácil lidarmos connosco, ou os outros lidarem connosco. Somos complexas. Mas também somos extremamente práticas. 

Esse texto saiu-me sem qualquer pretensão, irritada apenas com uma situação que se terminou com aquela neura.

Mas obrigada Sapinho pelo destaque. Sabe sempre bem.

E pelo vistos sabe bem ao Sapo reconhecermos que somos complicadas! 

 

*depois farei um texto acerca disso

Mulher não é fácil

Já nem falo daqueles dias do mês em que estamos alteradas, falo mais do quão diferentes somos dos homens. Da forma como dizemos as coisas, da forma como omitimos e depois queremos que eles soubessem, intuíssem mesmo, dos momentos em que fazemos deduções só nossas, tão diferentes das deles...

E é por isso tudo que entendo os homens quando se queixam da nossa complexidade, das camadas de emoções e sentimentos que temos, parecendo mais uma cebola, em que sai uma pele e outra e outra e outra...  

z.jpg

 

Jaquinzinhos

Já podemos comer jaquinzinhos sem correr o risco de acabarmos atrás das grades. O que era um bocadinho estúpido diga-se de passagem, porque bastava ir ali para Tavira por exemplo, e já podíamos comer à vontade porque eram comprados em Espanha e lá por terras espanholas essas esquisitices não se põem. São jaquinzinhos, choquinhos e lulas bebés, enfim... que lá não há ASAE como a nossa... Ainda para mais, os espanhóis podiam vender depois de apanharem em... águas portuguesas! Mas portugueses a apanhar em águas portuguesas, isso era crime. 

 

Mas as regras mudaram!

Portanto, preparem as frigideiras, façam um bom dum arroz de tomate malandrinho com muito pimento, e vamos a degustar esta iguaria portuguesa!

jaquizinhos.jpg

Pequenos Grandes pensamentos #35

  Argumentar que não nos importamos com a privacidade

porque não temos nada a esconder

é como argumentar que não nos importamos com a liberdade de expressão

porque não temos nada a dizer.

Agora que a maioria das nossas conversações têm lugar online,

a ameaça à nossa privacidade

não é também uma ameaça à liberdade de expressão? 

Edward Snowden

Tugas lá fora

Sim, eu a fazer um post sobre David Carreira. Estou a escrever e nem quero acreditar. Mas por aqui é a loucura completa. ainda ontem ao jantar me mostravam vídeos a falar do furor que o mais novo do clã Carreira está a fazer aqui por França.

O pai Carreira não é nada apreciado por aqui. Dizem que fez carreira (ups, o trocadilho) aproveitando-se de todas as músicas francesas. Não sei o que quer dizer, mas era antigamente muito comum as músicas não serem originais, colava-se uma tradução da letra e opa, música nova!!

Nem vos conto a minha decepção quando há uns anos descobri que o "Verde vinho" afinal não era português... Alguém colou essa letra uma música pré-existente.

 

Mas não sou nada fã de nenhum dos Carreira, mas tendo o miúdo lançado um álbum em França e estando a fazer o sucesso que está, achei que devia ser assinalado!

Como diziam ontem à noite, as pessoas estão fartas dos portugueses: Campeonato Europeu, Eurovisão, o Jardim no Mónaco, o Mourinho no Manchester, tu aqui a dirigires isto. Desculpa lá mas quantos milhões são vocês?

Respondo: Somos só 11 milhões... Somos poucos, mas bons, dedicados!

 

 

Ainda a história dos beijinhos

Lembram-se do texto que fiz há uns dias acerca dos cumprimentos?

Ontem quando cheguei a esta zona de França, avancei de forma confiante para os dois beijinhos a começar pela esquerda e... resultou. Este mapa é um mimo!

cartedefrance_nombre-de-bises-e1454290815232.jpg