Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

happyness is everywhere

Hoje estou aqui...

...no blogue da Chic'Ana    

 

Fiquei muito sensibilizada por a Ana me ter convidado. Foi muito giro escrever a pensar no sítio dela, no tipo de publicação que os seus leitores esperam todas as sextas-feiras.

 

Espero que se divirtam com a minha história! 

 

Não me canso de sentir agradecida pelas pessoas me seguem e que acham que contribuo de alguma forma para este espaço do Sapo. A todos vocês, muito obrigada e um beijinho!

E a ti Ana, de novo obrigada pelo convite!!   

 

Os gatos e as posições

IMG_20160917_000308.jpg

 

Este poiso era da Lua, que sempre gostou de estar em locais elevados, com visibilidade sobre todos os presentes.

 

Quando o Rully veio cá para casa, começou por ficar no andar de baixo, mas ainda era ela que mandava, portanto detinha o spot preferido.

 

Isso acabou há muito tempo.

O Rully começou a crescer, é de uma raça maior e portanto impõe-se. E adora aquele lugar, portanto tomou-o como seu...

Só que está demasiado grande. E quando se deita lá fica com as patas de fora e se não se enrolar convenientemente, com a cabeça também.

 

O que dá azo a fotos como esta:

 

IMG_20170529_191959 (2).jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A minha criança

Já tem 21 anos, mas será sempre a minha criança.

 

Tivemos uma vida cheia, com muita cumplicidade. Basta dizer que o meu marido morreu quando o filhote tinha 2 anos e eu nunca lhe quis impor outro pai. Portanto basicamente fui mãe e pai. E daí nasce uma relação muito forte. Não sei como teria sido se continuássemos a ser 3 ou eventualmente 4, mas não adianta ir por aí, pois não?

 Apesar disso, ou talvez por isso, ele cresceu sendo muito responsável, muito assertivo, sem me dar grandes problemas. Viveu a infância da forma que uma criança deve viver, mas sempre com a sombra de só ter a mãe. Lembro-me que quando fazia as minhas viagens, nas noites em que eu devia chegar, ele ia acordando e perguntava à avó se eu tinha chegado. Assim que ela lhe dizia que sim, que eu já estava em casa, ele finalmente despreocupava e dormia sem interrupção. O ser órfão de pai... eu sei.

Mas cresceu e tornou-se num homem com princípios, que sabe o que quer da vida (se o vai conseguir o não é outro filme), que luta pelo que quer. Que sabe que nada se consegue sem trabalho e perseverança. E que apesar de estar no segundo ano da faculdade, tem feito voluntariado no sentido de ganhar currículo e experiência na sua área. 

 

Consigo ver o quanto a minha criança se tornou um adulto que se preocupa com os outros, se aplica, vê a vida com simplicidade e acima de tudo valoriza o que deve ser valorizado.

Foi bom vê-lo ganhar asas e sei que um destes dias vai mesmo sair para o Mundo. E estou ansiosa para que conquiste o seu espaço e se consiga realizar. Acabou por seguir o meu mundo, aquele onde sempre viveu e cresceu, apesar de eu tudo ter tentado para que seguisse outra via, mas hoje sei que é nele que quer vingar. Sei que terei de me retirar daqui a algum tempo, para deixa-lo ocupar o seu próprio futuro, sem "mães" na fotografia.

Não me importo. O futuro é dele. E o amor tem destas coisas.

 

Portanto, neste dia da criança (o primeiro desde que tenho o blog) não quis deixar de registar aqui o quanto a minha criança me faz feliz e me deixa orgulhosa.

 

Spinner

E aí está mais uma moda. Bem mais inocente e menos perigosa do que a do pokémon e a sua caça de bolas...

Quando estive em Amsterdão há 2 semanas, vi uma banca de feira completamente cheia deste novo brinquedo. Creio mesmo que não havia nada mais além destes spinners. De todas as cores, tamanhos e pesos, segundo me explicou a senhora.

Já tinha ouvido falar mas desconhecia a verdadeira loucura que é por entre os miúdos e menos miúdos. Andei a ler umas coisas e parece que é a epidemia de spinners.

Veio importado dos Estados Unidos e já foi considerado pela Forbes, como o brinquedo 2017! 

Mas sabem o mais engraçado? Existe desde os anos 90 e foi inventado por uma norte-americana com o propósito de ajudar crianças autistas, com défice de atenção e hiperactividade. A patente deveria ter sido renovada em 2005, mas Catherine Hettinger não o fez porque o objecto nunca chegou a fazer grande sucesso. Ironias...

 

Mas por cá já há escolas a proibir o uso dos spinner nas escolas. E lá fora também. Assim como os perigos inerentes. Mas o que não pode ser perigoso, vamos lá a ver? Ate a bicicleta, o skate, os berlindes...

 

Por outro lado, para mim tem uma vantagem imensa que é os miúdos (finalmente!) fazerem uma pausa da tecnologia e estimularem aparentemente, a concentração. 

eb9c7bda6814a589acb800cfccaf34f6-754x394.jpg

 

 

Dia dos irmãos

Ontem foi dia dos irmãos. Não sabia. Mas ainda vou a tempo, não vou?

 

Então cá vai uma história que envolve o meu irmão, mais novo do que eu 4 anos.

Vivíamos em França e todos os sábados íamos de carro (um simca antigo) ao café próximo da nossa casa para o meu pai registar o tiercé (o equivalente ao totobola, mas com corridas de cavalos com jocker.

Nesse dia, não me lembro se chovia, ficámos no carro, no banco de trás. Não havia cadeirinhas nessa altura, portanto estávamos à solta, janela aberta do lado da estrada e do lado do café onde o meu pai foi.

Antes de sair da estrada, o meu pai disse para mim, já que eu era a mais velha:

- fecha a janela para não haver problemas.

E eu orgulhosa de tal responsabilidade, coloquei todo o meu empenho no manípulo da porta, e rodava, rodava, rodava. Ou tentava, porque a determinada altura começou a ficar mais difícil...

Ao atravessar a estrada, o meu pai olhou para trás e teve de voltar a correr.

Porque eu estava tão concentrada na minha tarefa, que nem vi que de pé no banco do carro, o meu irmão tinha o pescoço entalado na janela e já estava a ficar azul, já de língua de fora!! 

 

Fotos das minhas viagens # 57

A semana passada estive em Bordéus. Vou deixar a cidade para outro dia, porque são muitas fotos e vou ter de as organizar.

Para além da cidade, fui para a zona das vinhas e dos castelos. São lindos, imensos, muito bem tratados, e com muito verde à volta.É uma zona espectacular e muito repousante.

Primeiro palacete onde entrei, com restaurante no andar de baixo, em Artigues

St Emilion, Património Mundial da Unesco

Chateau de Roquetaillade, onde a garrafa mais barata de vinho custa 150€

 Vinhas da região de Bordeaux: as roseiras são plantadas para proteger a vinha já que sendo elas mais sensíveis ao míldio, acusam a doença antes de atingir as parreiras e assim salvam a produção do ano

Castelo do Louis Vuitton, onde ocasionalmente acontecem festas planetárias...

Região de Leogeats e igreja local

Fantôme (2).JPG

Castelo onde foi filmado o filme Fantôme

9.JPG

E uma garrafa destas de 2012 de 3 litros, foi-me oferecida!

 

Pág. 11/11