Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

happyness is everywhere

Alarvidades gastronómicas

A ler uma Sábado mais antiga, deparei-me com um artigo sobre as (ia escrever refeições, mas são antes repastos), sobre os repastos do tempo dos nossos reis.

Ora espantem-se:

 

"Na aclamação de D. Maria I como Rainha em 1777, foi servido à corte um jantar de gala. (...)

Embora se desconheça a ementa desse jantar, as despesas da ucharia apontam para um grande consumo de carne, concretamente (ora respirem lá fundo para ganhar fôlego) 4 vitelas - 340kg vaca - 62kg lombo - 40kg carneiro - 60 galinhas - mais de 100 frangas - 60 pombos - 18 perdizes - 10 leitoas - 15 perus. Uff Limões, mais de um milhar. (...). 

 

O romancista inglês William Beckford, na sua estadia por Portugal reflecte sobre os hábitos alimentares dos portugueses, que considera 'terem estômagos de avestruz para conseguirem digerir a grande quantidade de viandas com que se empaturram' (...). Conclui que 'com tal dieta e o consumo gulosar de doces não me surpreende que se queixem tantas vezes de dores de cabeça e ataques nervosos' ".

 

E pronto. Ficamos a saber que somos apreciadores de comida desde sempre!! 

Um Lugar Silencioso - O filme

9753_medio.jpg

 Não sendo o meu tipo de filme, houve algo no trailer que me despertou a atenção. Talvez a ideia do silêncio, numa era tão tecnológica como a que vivemos,  ser um atributo tão essencial no filme...

 

A minha companhia para filmes de terror está em Lisboa, pelo que fui sozinha. Não contava é que fosse a única pessoa para aquela sessão. Se um filme de terror já é mau, experimentem ser a única pessoa na sala. Pois... (Confesso que em algumas cenas enfiei a cara nas pipocas )

 

Resumidamente, há seres malignos que reagem ao som e portanto as pessoas sobreviventes têm de levar uma existência silenciosa. Andam descalços, têm trilho de areia para não pisar galhos que estalem, comunicam por sinais e em situações que se contam numa mão, sussurram entre eles...

A cena das contracções (sim, a protagonista - Emily Blunt - está grávida) é de colar uma pessoa à cadeira e existe uma outra cena absolutamente angustiante que envolve um prego, que nos faz roer as unhas todinhas!

 

Engraçado como os valores do silêncio e sobretudo da família ficam aqui sob os holofotes. O cenário é simples, com o retrocesso a muitas práticas menos comuns nos dias de hoje, o contexto é claro e a tensão tem densidade q.b. A banda sonora é fundamental e os efeitos sonoros também, claro.. Suspense até ao final.

Para quem gosta do género, vejam o trailer e caso gostem, já sabem!  

 

Achei que ficaria deprimida, e fiquei...

Mas não é esse o pressuposto quando se vai fazer a simulação da Reforma que vamos receber no futuro?? 

 

O valor apresentado na minha simulação até nem é desencorajador, mas ver ali preto no branco a data em que me posso reformar fez-me ficar com vontade de ir já amanhã de férias!!

ss (2).png

 Só fico a torcer para que quando o meu deadline chegar, a Segurança Social ainda seja viável e aquele valor que me apareceu, apesar de não ser nenhuma fortuna, me ajude a ter uns anitos de qualidade...

 

Estou a dois dias...

Já perceberam que esta semana tenho andado menos activa e mesmo os meus comentários nos vossos blogues se ressentem disso mesmo.

 

Mas semana que antecede saída de férias é sempre assim... O tempo não estica e não chega para deixar tudo adiantado e antecipado no trabalho e em casa.

 

Semana que vem, quando voltar de Roma, já estará tudo normalizado. 

Tecnologias versus devia haver mas não há

O meu pai foi a semana passada fazer um exame ao hospital.

Os resultados foram dados para que os mostrasse à médica de família. Entregaram-lhe um CD com os mesmos.

 

Há dias, os meus pais foi ao centro de saúde com o CD. A médica respondeu que eles teriam de voltar ao hospital pedir os resultados do exame em papel, já que lá não havia maneira de abrir o CD.

 

A minha mãe voltou ao hospital. Que não! Que o centro de saúde teria de arranjar maneira. E que sim, que sabem que há esses problemas nalguns centros de saúde... 

E a minha mãe nestas voltinhas, já a passar-se. Ainda bem que não foi o meu pai, senão teria armado a tenda por lá!!

E com razão, diga-se de passagem...

 

Lá tive eu de tentar copiar os dados para uma pen. E foi assim que se resolveu a questão.


Mas agora pergunto: E as viagens extra dos utentes (a 4€ cada viagem para cada lado), o tempo perdido e os nervos que uma pessoa idosa apanha por uma questão que não consegue resolver e deviam ser os próprios serviços a resolver??

 

Chá de Marrocos

No outro dia fui ao Intermarché tentar comprar daquelas tâmaras medjool - sim, também eu aderi às bolinhas energéticas para comer uma pequenininha, antes de ir para o ginásio...

 

Mas dizia eu que fui à procura das tâmaras e na ilha onde estava, comecei a sentir o cheiro de chá como aquele que bebi em Marrocos. Dei a volta à ilha e deparei-me com uns boiões grandes de vidro cheios de chás em folha. Fui destapando até chegar àquele que tinha reconhecido. Não hesitei - nem olhei ao preço (nem então nem depois), agarrei num saquinho de papel e coloquei umas colheres lá dentro.

IMG_20180516_093132 (2).jpg

 

Já fiz o chá e viajei de repente para Marrocos.

Quem disse que não existem viagens no tempo?

5 coisas boas ( + fotografia da semana) #20

21014041_ujiW7.png

Antes de mais, quero informar a blogosfera e a Fátima, de que lhe vou roubando estas imagens, conforme ela vai fazendo e inovando. Este é um desafio lançado por ela aos seguidores e isso legitima a coisa, verdade? 

 

Segunda 14

Recebi um telefonema de um conhecido que pretendia o número do meu filhote. Procuravam um recém-licenciado na área dele para gerir um projecto. Fiquei em pulgas pelo dia da entrevista!! E o melhor é que não se trata de estágio não remunerado. É mesmo trabalho!!

 

Terça 15

O meu portátil tinha avariado na sexta-feira anterior. Não abria qualquer documento. Pensei que morria com ele...

Mas na terça fui busca-lo à informática, ressuscitadinho da Silva! E só gastei 30 euros!!

 

Quarta 16

O meu filhote foi à entrevista e foi contratado. Que bom. Estar a semanas de terminar o 3º ano (ainda ficou com umas cadeiras penduradas que terá de fazer em 2019) e ter o privilégio de ter trabalho é um grande alívio!

 

Quinta 17

Fui à manicure e resolvi pintar as unhas de vermelho pela primeira vez!

Tive receio de não gostar, mas acabei por amar!!!

 

Sexta, 18

Foi dia de ir ao cinema. Tinha 2 filmes no alinhamento que pretendia ver. Mas compatíveis com o meu horário só o filme Um lugar silencioso. Um terror diferente. Mas continua a ser de susto. Dei uns quantos saltos na cadeira.

Ainda para mais que estava sozinha na sala!!!

 

 

Foto da Semana #20

IMG_20180513_161210.jpg

    O passeio à Costa da Caparica, no domingo passado...

Conduzir em que faixa

Eu adoro conduzir. A sério, não me importo de conduzir horas, seja a que hora for.

Mas apesar de já ter conduzido em outros países (e até em outros continentes), nunca conduzi à esquerda... em 2019 planeio ir à Escócia e aí poderei testar  Não vai ser fácil porque mesmo como peões, para atravessar a rua (já tive essa esperiência) e temos tendência a olhar primeiro para o lado esquerdo...

 

Uma das regras que me foi ensinada há uns anos é que se conduz à esquerda nas ilhas. Mas já comprovei que não é verdade. Ou não é toda a verdade...

volante pela direita.jpg

E no decorrer das minhas viagens, fui constatando os países, os hábitos de condução e fui ficando curiosa. Então fui pesquisar...

 

Na antiguidade circulava-se pela esquerda. E o motivo era simples.

Os cavaleiros carregavam a espada e como não sabiam com quem se iam cruzar, circulavam pela esquerda para poder usar a espada na mão direita e assim se protegerem de quem viesse em sentido contrário. Em 1300 o Papa Bonifácio VIII ordenou que os peregrinos que viajavam para Roma tomassem o lado esquerdo.

Quando a circulação na London Bridge foi regulamentada, os ingleses continuaram com a circulação pela esquerda e foi no século 19 que se tornou obrigatório conduzir pela esquerda em todo o império britânico.

 

Até aqui tudo bem. Mas então o que aconteceu para que de repente ficássemos todos às avessas?

 

No seguimento da circulação pela direita para facilitar a condução das carroças nos EUA, quando uns séculos mais tarde, se construíram os primeiros automóveis, Henry Ford seguiu essa linha e o volante foi colocado do lado esquerdo - para que a circulação fosse pela direita.

 

Já na Europa, os motivos foram outros - a Revolução Francesa.

Circulávamos pela esquerda mas os revolucionários queriam mudar tudo - desde os nomes dos meses até aos hábitos de circulação. Apesar da lei ter sido imposta em França, estendeu-se até aos países invadidos por eles (Portugal, incluído) e ficou até aos dias de hoje.

 

Já os ingleses. Bem, sabemos da fractura que sempre houve entre ingleses e franceses. E portanto eles continuaram a conduzir pela esquerda, assim como todas as suas colónias. E o Japão, por influência do Reino Unido.

 

Lembram-se?

Dos bicos de lápis partidos e enfiados debaixo da pele da palma da mão? Na escola primária? Lembram-se??

 

lápiz-con-una-extremidad-quebrada-42957013.jpg

 

Eu vi no outro dia uma amiga da minha sobrinha com a palma toda cinza e perguntei o que era.

Tinha completamente apagado esta memória da minha cabeça!!!

Só te vejo a ti - O filme

9991_medio.jpg

 Fui ver este filme há umas semanas, mas tenho andado tão ocupada que foi ficando aqui nos rascunhos à espera de uma inspiração. E que fizesse a digestão do filme. Porque há filmes assim...

 

Gina é uma mulher que cresceu cega depois de um acidente de carro com os pais. Quando conhece James, é com esta condição que a relação desenvolve, e fica condicionada naquela dependência que a que ambos se habituam.

Ela vai-se moldando à imagem que o marido espera dela. Comporta-se de acordo com o que seria normal para ele. Veste o que ele escolhe.

 O filme passa-se em Banguecoque, onde moram e numa consulta de oftalmologia, é-lhes dito que há a possibilidade de uma cirurgia lhe restaurar um dos olhos.

 

E a partir daí é o descalabro. 

Quando começa a ver, não foi só o mundo novo e as cores que descobriu, foi também uma nova forma de estar. Já tínhamos percebido isso, já que ela apesar de cega, tinha algumas actividades.

A pacatez, deu lugar à menina moderna que descobre a maquilhagem, os decotes, os espectáculos de striptease (numa viagem a Espanha para férias com a irmã), as outras posições no sexo e jogos sexuais. Como cega, a posição era sempre a de missionário.

Com toda esta mudança na personalidade - mudança não, o vir ao de cima finalmente, a sua própria personalidade - isso veio ameaçar a forma pacata como vivia com o marido, o apartamento monocromático, etc etc

 

E claro que este desconforto todo vai minar a confiança do marido em si próprio e especialmente nela. Qual será o próximo passo do marido? 


Vejam no cinema ou em casa, porque é bem dramático!