Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

happyness is everywhere

As novas multas

As câmaras municipais - umas mais, outras menos - estão a decidir multas que se aplicam aos munícipes e que encontram aplausos ou apupos, consoante os hábitos das pessoas...

 

# Ar condicionado a pingar para a rua - sabiam que em Matosinhos, a multa pode ir até aos 5.800€?

# Não apanhar o cocó do cão - No Porto, a multa vai dos 75 aos 350€. Mas em Lisboa aumentou para 1000€!

# Atirar beatas para o chão -  No Funchal custa 50€, em Leiria a multa vale 500€ e em Lisboa, vão ser 1500€!

# Cuspir ou urinar na via pública - No Porto, são 350€ e em Matosinhos pode chegar aos 5800€!!

# Abandonar sacos de lixo junto ao contentor - Em Lisboa, a coima é de 727€. Mas em Oeiras, quem deixar a tampa do contentor aberta pode pagar de 100a 1750€ (isto se forem pessoas singulares)

# Alimentar os pombos - Em Oeiras, custa 1000€. Portanto se gosta muito, vá até Lisboa já que lá é 106€ (será que se aplica também a patinhos?)

Sacudir os tapetes à janela - Na Nazaré por exemplo, sacudir um tapete à janela pode custar 2493,99€. What???

 

Tenho algumas poucas considerações. 

1º - Que raio de multas são estas?? Então mas o salário mínimo nacional octoplicou (praí) e ninguém me disse nada???

2º - Há situações que são provocadas pela falta de estruturas que a própria municipalidade deveria proporcionar. E aí quem multa quem?

3º -  Sacudir um tapete dá multa?? Eu sei que temos de olhar primeiro se está alguém... Mas qual é a alternativa???

4º A minha cidade vai lançar os polícias municipais. Para que será?  

 

(informações recolhidas na revista Sábado)

Um beijo, Sapinho!

E obrigada pelo destaque de ontem.

Destaque 30.1.png

Era um texto mais intimista, mais de registo pessoal, quase quase, a lembrar uma entrada num diário... 

 

Pão homemade

Sabes quando apetece aquele pão quentinho? E o cheiro que fica por toda a casa quando o pão acaba de cozer?

Pois é... esta receita faz-se em 15 minutos! 

 

Precisas de 100 g polvilho azedo (actualmente já se vende em qualquer hipermercado), 90 g queijo quark, 1 ovo, sal e sementes (se fores fã).

pão.jpg

 

Misturas tudo, Moldas pequenas bolas num tapete de silicone de levar o forno. No meu forno leva 10m, mas o melhor é vigiares já que os fornos não são todos iguais!

 

Depois, é lambuzares-te com pão e manteiga!

 

Livro Secreto - Round XX

A-Outra-Metade-de-Mim (2).jpg

Este foi o livro da iniciativa Livro Secreto que mais me doeu. Mas ao mesmo tempo, este livro é poético. Apesar de todo o terror.

Basicamente, é a história de duas irmãs gémeas de 12 anos, no terror do campo de concentração de Auschwitz, em 1944, sob a gerência do Josef Mengele, que ficou conhecido pelas experiências com humanos no seu Zoo. Nutria particular interesse em gémeos e utilizou-os como cobaias.

A história é contada capítulo a capítulo, por cada uma das gémeas, as suas versões com base na sua personalidade e experiências pessoais.

 

Foi um livro que me custou imenso a ler. Fui fazendo as pausas necessárias, sabendo que a vida daquelas gémeas e de tantos outros gémeos não tiveram hipótese de pausas... E por isso, acho que nem toda a gente conseguirá ler este livro.

 

Não vou descrever as partes que mais me incomodaram, porque foram muitas, e apesar de ter já lido e visto alguns documentários sobre o assunto, a descrição do que ali era feito deixou-me muitas vezes agoniada e emocionalmente desfeita. Sabemos que foi horrível, mas percebemos que foi muito pior. Que muitas atrocidades, nem nos é possível imagina-las. 

 
 

Deixo um pedaço de texto, quando uma das gémeas sobreviventes tenta explicar a um soldado como fora a experiência de Auschwitz.

"(...) Não deixei nada de fora. As experiências, a dor partilhada, o Zoo, os dias, as noites, o cheiro. Todos os mortos atirados para a lama em volta das latrinas. Fiz o melhor que pude, mas tornou-se claro que quem não vira o que nós tínhamos visto nunca poderia compreendê-lo verdadeiramente."

 

Se me custou? Sim, mas é importante que essa parte da História não caia no esquecimento para que um dia, não seja futuro...

 

Livro enviado por mim: "Ferrugem americana" de Philipp Meyer

*************************************************************************

Fevereiro 2017 - "Às Terças com Morrie" de Mitch Albom

Março 2017 - "Obrigada pelas Recordações" de Cecelia Ahern.

Abril 2017 - "O Velho e o Mar" de Ernest Hemingway

Maio 2017 - "O ladrão de Sombras" de Marc Levy

Junho 2017 - "O Talentoso Mr. Ripley" de Patricia Highsmith

Julho 2017 - "Os Olhos de Ana Marta" de Alice Vieira

Setembro 2017 - "Palestina" de Hubert Haddad

Outubro 2017 - "Homens Imprudentemente Poéticos" de Válter Hugo Mãe

Novembro 2017 - "O Carteiro de Pablo Neruda" de António Skarmeta

Dezembro 2017 - "As Asas do Amor" de Nicholas Drayson

Janeiro/Fevereiro 2018 - "Viagens" de Magda Pais 

Março 2018 - "Em teu Ventre"  de José Luis Peixoto

Maio 2018 - "O Diário Oculto de Nora Rute" de Mário Zambujal

Julho 2018 - "Rosa Brava" de José Manuel Saraiva

Agosto 2018 - "Uma Praça em Antuérpia" de Luize Valente

Outubro 2018 - "Os Emigrantes"  de Ferreira de Castro

Novembro 2018 - "Chama-lhe Amor"  de Vera Lúcia Silva

Dezembro 2018 - "O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá" de Jorge Amado

 

Estou à procura do amor... Ou será que não??

Todos vocês sabem que eu estou sozinha há anos, por opção. Desde que o meu marido morreu, nunca quis substitui-lo cá em casa. Não enquanto o meu filho fosse pequeno. O filhote cresceu e está com quase 23 anos...

Claro que nos entretantos, tive relacionamentos. Só não metiam viver junto. A verdade é que gostei desse tipo de relação. Juntos, mas cada um em sua casa...

 

No último relacionamento que tive, fiquei chamuscada.

E o retomar tem sido difícil. Adiei, adiei e o ano passado comecei a pensar nisso de novo. Não calhou. Até porque desde que tomas uma decisão até teres as atitudes coerentes, vai um grande passo...

 

Mas não tem sido fácil... estamos a 29 de janeiro e já descartei/recusei 3 candidatos. A verdade é que nenhum me faz suspirar (com excepção do tal) e portanto o processo torna-se difícil...

 

Ou serei eu que tenho a fasquia demasiado alta? 

Neste campo, não me parece que nos devamos contentar com menos. Portanto sim, vou esperar pela pessoa certa, sem pressas!!

Tudo de pantanas # 26

Há quem tente mudar o panorama social, influenciar a sociedade de maneira a que as minorias passem a ter mais direitos, que se enquadrem mais facilmente, que a sua vida seja mais facilitada, que sejam vistos e reconhecidos por todos. 

 

um invisual americano resolveu processar a revista Playboy porque esta não providencia qualquer hipótese aos cegos de desfrutarem dos conteúdos online da revista. 

 

E depois há os parvos. 

 

Culpar a culpa?

Às vezes, esqueço-me da essência das pessoas.

Às vezes, esqueço os defeitos dos meus amigos.

E é quando os revejo que me lembro: ah é por isto mesmo que não lhe ligo tantas vezes como isso...

Este fim de semana estive no outro lado do Algarve. Fui lá jantar - o meu último jantar de Natal 2018. A sério, estou a falar a sério... fomos adiando, adiando, até agora.

 

E é na convivência que reparo que há pessoas que têm como forma de vida, queixarem-se de tudo. Não sabem viver nem fazer de outra forma. Ou talvez nem tenham essa consciência, apesar de todos os sinais que lhes damos.

Outra característica indissociável é não valorizarem o que têm. Por pouco que tenhamos, há sempre - SEMPRE - aspectos que nos são importantes, que fazem a diferença na nossa vida. Às vezes, basta olhar com outros olhos, porque às vezes, sim às vezes, estão lá apesar de não se verem.

Outra particularidade que verifiquei e comum a tantas destas pessoas, é que a urgência de culpar os outros pelos problemas que têm é quase vital. 

 

E como fiz sentir, basta um sorriso, um realinhar as expectativas para conseguir ver o céu mais azul.

 

Tenho pensado muito ultimamente nas pessoas que não conseguem ser felizes. A quem escapam os pequenos milagres de todos os dias. 

Daí esta reflexão.

Palavras que podiam ser minhas...

"Em cada cidade onde estive, em cada hotel, em cada porto,

em cada praia, coloquei sempre a hipótese de começar tudo de novo"

Eduardo Prado Coelho

 

Isto da dieta #10

Bem sei que agora os piropos entraram na categoria da criminalidade, mas eu sou uma mulher da década de 90, em que um piropo não ofende nem incomoda por aí além. Não mais do que uma pessoa cuspir para o chão à minha frente, por exemplo. Ou um cãozinho fazer a sua necessidade nº 2 no chão e a pessoa que o passeia não apanhar. Ou tantas outras coisas...

 

Bem, mas tudo isto para dizer que os piropos de desconhecidos estão em desuso. E para além disso, pelo facto de ter excesso de peso, cá para estes lados, reduziram drasticamente. 

 

Mas a dieta aconteceu na minha vida e já se nota bastante. E foi portanto com um lampejo de vaidade que ontem, ao sair do trabalho, um carro abrandou e lançou:

- Coisinha gostosa! 

 

E eu? Eu fiquei com o ego láaaa em cima!

Pág. 1/6