Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

happyness is everywhere

A fazer malas desde 1991...

Fazer malas bem, sem excessos, é uma arte.

Todas as mulheres têm tendência a levar mais do que é necessário e mais do que vai ser possível usar. Nas minhas primeiras viagens, voltava com roupa que nem tinha saído da mala. Então, para não repetir esses erros, nem esquecer coisas que depois teria de comprar no local de destino, optei por fazer uma lista. Como podem verificar na parte inferior, adaptei essa lista ao número de dias, e assim, não preciso de estar a pensar quantas peças tenho de levar. A lista tem tudo.

Malas (2).png

Antes de mais, há que ter em conta se vamos a trabalho, lazer ou um misto dos dois. O primeiro cuidado a ter, com os meios que temos hoje à disposição, é verificar a meteorologia local. Não o fazer é um erro crasso que nos fará levar o dobro da roupa. Mas é também muito importante verificar se vamos passar a maior parte do tempo em locais fechados ou ao ar livre.

Por exemplo, se vou dar formação, tenho de contar que estarei fechada numa sala e portanto a climatização ajudará e vestir algo mais leve será uma boa opção.

Também em países frios, temos de contar com as casa aquecidas e portanto não é preciso levar pijamas polares. Basta um calção e uma camisolita. Para a rua sim, escolher um bom casaco e leva-lo vestido ajudará a que a mala vá mais vazia. Em países quentes nunca esqueço o meu leque.

 

Se estivermos ocupadas até muito tarde, isso significa que não teremos energia ou tempo para tomar duche e mudar de roupa para jantar. E portanto contar com 2 mudas de roupa por dia será excessivo.

Os sapatos devem ser bem escolhidos (uma preocupação para mim já que sofro dos pés) pois não podemos levar toda a sapateira! E normalmente acondiciono-os em primeiro lugar no fundo da mala, dentro de sacos próprios. Nos intervalos, coloco os acessórios, cintos, lenços, enfim, aproveitar os espaços vazios...

 Num workshopp que a nossa federação proporcionou há uns anos, a Ana Wilson ensinou-nos que as roupas devem ser dos mesmo tons para serem mais facilmente conjugáveis e assim levar menos roupa. E que os acessórios farão a diferença. 

Há que verificar se o hotel tem secador e há países que não disponibilizam toalhas. Portanto, antecipar problemas é importante. 

Levar um saco de plástico para colocar a roupa suja, porque assim não se mistura roupa lavada com roupa suja. Isto tem ainda mais importância, quando sabemos que não ficaremos sempre na mesma cidade e portanto a mala tem de ser feita e refeita algumas vezes.... (e o saco plástico é preferível devido aos cheiros)

Os produtos de higiene devem ser transportados em pequenos frascos. Para além das imposições legais nos aeroportos, os produtos de higiene são responsáveis pela maior parte do peso da mala/mochila. E sério, nunca iremos gastar um frasco inteiro!

E por fim, se possível levar uma pequena mochila ou nécéssaire para alguma eventualidade como atraso com a mala no aeroporto (leia-se perda), com pequenas e poucas coisas, tais como uma muda de roupa interior, escova e pasta de dentes (alguns supermercados têm tubos de 19ml), champôo (dá para corpo e cabelo), creme de dia, pente e uns comprimidos que dê para tudo. 

 

Fazer a mala não tem de ser uma dor de cabeça 

Espero que tenha ajudado e... boas viagens!!

 

8 comentários

Comentar post