Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

Desafio da escrita - dia 10: Morte

A minha sobrinha nasceu com cancro, que só lhe foi diagnosticado com quase 2 anos. 

As febres eram frequentes, mas claro que os médicos pensavam e medicavam para uma infinidade de outras doenças mais normais. Só com quase dois anos foi fazer um exame que foi inequívoco. Fez quimio, fez transplante da medula, depois auto-transplante da medula, enfim. Toda a sua vida foi no IPO. Passava temporadas em Lisboa, voltava para casa outras alturas, sempre com mil cuidados quando estava por cá.

As crianças são fascinantes na doença. São directas, puras e aceitam. Acho que esse é o factor que mais admirei. A aceitação da doença.

Eu era a tia cool. A tia que a levava a jantar lá em casa, que lhe fazia panquecas de banana, que ia ao cinema, que pelo facto de ter um filho da sua idade, lhe proporcionava uma vida mais próxima da normalidade.

 

Quando veio para casa para "descansar", quis ser baptizada. Tinha 11 anos. Foi vestida como se de uma princesa se tratasse. Teve lá todas as pessoas importantes na sua vida.

 

Continuava a passar muitos momentos comigo e com o meu filhote. Eu tinha já nessa altura duas cadeiras no meu carro. Um dia fomos tratar dos cães dos meus pais. 20 km de viagem para cada lado. Cantávamos as músicas que ela escolhia. Jogávamos os jogos durante as viagens, que ela escolhia. Nesse dia, a conduzir, vínhamos a rir e numa escalada de maluqueira. Era verão. O meu filho trazia sandálias calçadas. Coloquei a mão para trás do assento, junto à cadeira dele e arranquei-lhe uma sandália. Reduzi substancialmente a velocidade do carro e passei para a berma que era larga. Abri a janela do pendura e joguei a sandália para a estrada. Claro que fixei o local onde a sandália caiu e fui depois lá busca-la. Mas a miúda achou tanta piada que até dobrava o riso. 

 

E hoje quando penso nela é esse momento do riso dobrado que recordo e oiço. O meu anjo, que partiu depois de tanto sofrimento...

anjo.jpg

22 comentários

Comentar post

Pág. 1/2