Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

happyness is everywhere

Desafio de escrita Pássaros - Tema #4

Antes de afastar a sombra que a seguia ininterruptamente, Gabriela sentiu pena de si. Só mais um bocadinho. Só mais um momento.

Depois, poderia arregaçar as mangas e ir à luta, mas por agora, ficou-se ali encapotada com aquele grande, enormíssimo problema a servir-lhe de saco embrionário. Por mais que quisesse, não conseguia deixar de pensar. Por mais que quisesse, ainda não estava pronta para enfrentar o seu monstro. Há momentos assim, em que apetece colocar tudo em piloto automático até aparecer uma solução. E este era uma dessas situações.

Amanhã não teria de se levantar cedo. Nem amanhã nem no dia seguinte. Nem no outro.

Que faria? Tinha 60 anos e nunca se tinha visto sem trabalho. Sabia-se mulher de meter mãos à obra, mulher de trabalho, mas assim de repente, que faria??

Hoje não! Hoje a televisão ligada vai ocupar a mente e uma noite dormida - mal dormida certamente – trará uma clareza de que hoje não se sente capaz. Hoje quer ficar só enrolada em si mesma, lambendo as feridas futuras.

A noite foi uma sequência de poços de ar. Repentinamente acordava e sabia que algo não estava bem. Aqueles dois segundos até a angústia lhe aparecer, até o corpo reconhecer a memória do medo, acabavam por ser pequenos momentos de relativo conforto.   

 De manhã, acordou com uma ideia teimosa. Não seria aquela uma solução? Certamente a única pessoa que a poderia ajudar seria a Beatriz. Naquele seu negócio de limpezas com certeza precisaria de pessoas a toda a hora. E não se poderia esquecer dos favores que lhe devia. Das inúmeras vezes que ficara aos fins de semana e à noite com os seus rebentos para que pudesse ir jantar ou passar um fim de semana fora. Daquela vez em que tratara a sua mãe que entretanto ficara acamada (mesmo tratando-se das suas férias), e de todos aqueles pequenos pedidos a que sempre acedera. Sim, porque era uma daquelas pessoas incapazes de dizer que não, mesmo que isso a prejudicasse.

Seguramente que a Beatriz teria isso em mente e não lhe negaria pelo menos, uma esperança.

Mas a Beatriz disse que não. E agora?

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.