Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

happyness is everywhere

Isto da dieta # 22

Não é que eu seja uma sumidade da dieta, mas os objectivos alcançados já me permitem deixar algumas dicas para quem precisa.

 

a. Antes de mais, estabelecer um objectivo

Convém que ele seja concretizável ou a motivação descamba facilmente. Eu perdi 26 kg, mas quando comecei o meu objectivo era perder 12. Depois com o sucesso, comecei a sonhar mais alto. Isto porque a idade, a disposição que temos para preparar refeições menos calóricas, o tipo de vida mais ou menos activo que levamos deve ser tomado em conta.

b. Há que planear as refeições

A única forma de não cair em tentações - não tenham dúvidas - é antecipar e andar com lanches e lancheiras. 

Fazer uma lista de refeições possíveis e depois ir jogando durante a semana. 

Eu cheguei a ir de fim de semana ao norte e levar acompanhamentos (por exemplo puré de nabo) só para poder fugir ao arroz, batata frita e aos restantes acompanhamentos ricos que temos na nossa gastronomia. Levava o meu pão para o pequeno-almoço. 

Eu sei que pode parecer exagero, mas só assim funciona. Porque ao mínimo deslize (pelo menos de início), o pensamento automático é perdido por cem, perdido por mil! 

c. Ainda hoje bebo uma garrafa de água por dia

Faz bem, ajuda a limpar o organismo, mas a verdade é que ainda que já seja um hábito adquirido, não me obrigo a isso quando estou de viagem. Na minha actividade, é impossível estar a sair para ir à casa de banho de 30 em 30 minutos. Portanto, deixo isso para quando estou por cá...

d. Tomo o meu próprio pequeno-almoço

Nunca tive o hábito de tomar o pequeno almoço no café. Até porque uma fatia de pão com queijo fresco sacia-me e se fosse para o café, certamente que me ficaria a babar pelo croissant ou pelo pão de leite...

Aqui, o lema é : Longe da vista, Longe do coração da boca!

e. Posto isto, como também regularmente!

A meio da manhã como um iogurte aroma magro com menos de 5mg de hidratos de carbono ou uma daquelas gelatinas meio/meio. Almoço. A meio da tarde, uma peça de fruta ou uma gelatina. Ou vegetais arranjados - tiras de cenoura, por exemplo. Jantar. À noite, se me der fome (normalmente não dá) como um ovo cozido ou uma gelatina. A sopa ganhou uma importância na minha vida já que é fundamental para este processo. Não tem lógica comermos uma refeição completa para irmos para o sofá e depois 7 ou 8 horas para a cama. A menos que trabalhemos de noite, à noite a refeição deve ser ligeira. Apesar de fazermos muitas vezes o oposto. Ao almoço comemos encostados a um balcão e à noite é que sentados, temos direito a tudo! E depois para onde vai aquilo tudo? Barrigas e ancas, claro! 

Mas à noite o desejo ataca, não é? É nessa altura que meto um rebuçado daqueles da Solano sem açúcar. São bons e matam aquele desejo de um doce!

f. Reduzi hidratos de carbono

Apesar de não excluir, há que reduzir o pão, arroz, massas e batatas. As bolachinhas desapareceram da minha casa! E se me apetecer biscoito, prefiro fazê-los eu mesma, já que controlo os ingredientes que coloco. 

g. Exercício físico, claro

Aqui também não não ciência: perder peso só quando o gasto é superior à ingestão!

Na ingestão, até podemos controlar mas o exercício vai ajudar a queimar gorduras localizadas, a aumentar o metabolismo e a sentirmo-nos bem. Basta uma caminhada, não precisa de ir para um ginásio transpirar em bica!! No meu caso foi o Pilates que funcionou...

 

E pronto, não disse nada que certamente não soubessem já, mas tentei dar o meu cunho e a minha experiência. Vamos a isso?

Qualquer dúvida, é só perguntarem!

 

8 comentários

Comentar post