Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

happyness is everywhere

Refugiados

Hoje esta notícia chamou a minha atenção. Portugal acolheu 1085 refugiados.

Apesar de não termos as melhores condições para receber essas pessoas, é seguramente mais do que elas tinham nos países de origem. E somos hospitaleiros, acolhedores, temos paz, vivemos em paz, e temos este clima. A questão financeira é realmente um peso e um aspecto negativo e pouco chamativo para os que acabam por optar por um país da UE.

 

Em novembro passado, fui uns dias a Holanda. Normalmente temos um motorista contratado que nos vai buscar ao aeroporto, outras vezes são pessoas da organização que são destacados. Quando é este o caso, conversamos um pouco, o que parece absolutamente natural. Quando são motoristas contratados, eles preferem que nos sentemos atrás, com música de fundo. Neste caso, sentei no lugar do pendura e fomos conversando na auto-estrada até à localidade do evento.

A determinado momento, começámos a falar dos refugiados. Quantos refugiados Portugal recebeu? Na altura pelas notícias que tinha visto, respondi 30 ou 40.

- Mil?

E eu : não, 30 ou 40 mesmo. (e ri-me mentalmente)

 

Entretanto passados 1 ou 2 dias, ao pequeno-almoço com colegas de outros países, voltou a conversa dos refugiados e o colega alemão dizia que os motivos que levava às notícias mais recentes de que as pessoas da Alemanha estavam contra as políticas de refugiados tinha a ver com as condições aprovadas para eles. E dava um exemplo:

Um determinado refugiado tinha 4 mulheres, 23 filhos. O valor mensal que recebe do estado alemão é 30.000€ (certo, estão a processar, não é? Eu também fique a patinar nessa frase durante uns segundos). Quando consigo voltar à conversa, ele está a dizer que recebem 600 euros por mês para roupas e outros, mais 500 para comida para um agregado de 4 pessoas, mais 300€ para...

E perdi-me novamente...

 

Vivemos outra realidade aqui neste país à beira-mar plantado, não é? 

2 comentários

Comentar post