Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

happyness is everywhere

Rio de Janeiro

No ano passado estive 3 semanas no Rio e amei a cidade. A beleza, o clima, as pessoas...

Levantávamos muito cedo, por volta das 5h, tomávamos o pequeno almoço na esplanada e víamos o dia nascer, os carregadores de cadeiras passar a caminho da praia, com as carroças de transporte. Quando dava tempo, ainda dávamos um pulinho à praia (o nosso hotel era em Ipanema, a 50m da praia) antes do autocarro chegar.

A viagem de autocarro era arrebatadora. Passávamos por aquelas baías enormes, os extensos areais à esquerda, as montanhas à direita, o Cristo Redentor lá em cima, os Calçadões de Copacabana e Ipanema, o Leblon. Claro que também passávamos por favelas, temidas mas fascinantes. O meu filho que estava lá mas não comigo, não na minha "bolha", chegou a ter de apanhar um táxi para fazer 200m, porque o aconselharam assim, para não passar a pé num túnel junto a uma favela.

Sendo uma cidade de contrastes, as opiniões dos visitantes também se dividem. Uns amam outros odeiam.

 

Mas hoje queria deixar um pouco do Calçadão. Passeei tanto naqueles calçadões (apesar de tudo, conseguíamos sair da bolha) que gostaria de deixar um pouco delas aqui.

Ipanema.JPG

O Calçadão de Ipanema (foto ao lado, da minha autoria) tem um design diferente do calçadão de Copacabana, ainda que sejam contíguos. A praia está dividida por Postos facilmente identificáveis, sendo que no posto 9 é onde se podem encontrar as celebridades.

Este Calçadão foi construído segundo me explicaram, para comemorar os 400 anos da cidade. 

 

Mas passemos ao de Copacabana, muito mais interessante!

copacabana-calcadao.jpg

 

 

Reconhecem? Não??

 

 

 

 

 

 

 

E assim, já vos diz alguma coisa?

Praa-do-Rossio.jpg

Pois é, o design de Copacabana é baseado no do Rossio e representa o encontro das águas doces do Tejo com o Oceano Atlântico.

Mas não foi só o design que foi importado. Também as pedras usadas e um grupo de calceteiros portugueses estiveram na base da construção.

 

E foi assim que me senti tão longe, mas tão perto de Portugal.

Isso e os pasteis de nata... 

 

4 comentários

Comentar post