Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

happyness is everywhere

O Povo português é essencialmente cosmopolita. Nunca um verdadeiro Português foi português: foi sempre tudo. FP

The Healer - O filme

11233_medio.jpg

Na quarta-feira resolvi ir ao cinema, por receio que o filme deixasse de estar em exibição na mudança de cartazes.

Mais uma vez a história perde-se na tradução. The Healer diz muito mais do que "O que de verdade importa"

 

Este filme despertou-me a atenção por ser 100% solidário e todas as receitas reverterem para a unidade de transplante medular do IPO. Isso bastaria. Mas o elenco também cativa.

 

Não gostei particularmente do filme.

Trata-se da história de Alec, um engenheiro mecânico que perdeu toda a sua família e a quem os negócios não correm especialmente bem. Aparece um tio que lhe faz a proposta de ir viver 1 ano para o Canadá, para a sua casa de família. Essa é a condição para lhe pagar todas as dívidas, nomeadamente as de jogo.

Depois, começa a história de ele poder ser curandeiro (healer), aparentemente um dom de família que salta uma geração e foi aqui que me comecei a desligar. Não sou uma pessoa crente e esta história de curandeiros, não é para mim.

 

Vi o resto do filme como se fosse ficção. E realmente há momentos divertidos, momentos emocionantes (para mim, que vivi de perto uma luta perdida contra o cancro), mas todos eles me pareceram forçados, como se se vivesse num mundo perfeito, com falas perfeitas e relacionamentos perfeitos.

 

Terminou o filme. E para mim começou.

Porque no final, Começa a voz off a dizer que muita gente não acredita em Healers.

Mas que eles existem mesmo ( Healers do existe eu às escuras ainda, a pensar como escapar daquilo.

Paul Newman foi um deles. (e começam a mostrar a foto dele rodeado de crianças)

E foi aqui que me emocionei.

Porque uma pessoa pode carregar a bondade no coração e ainda assim isso não ser do conhecimento geral. Ele fundou instituições juvenis de apoio à luta contra o cancro e campos de férias para crianças com cancro, numa tentativa de proporcionar a crianças sem qualquer hipóteses, uns dias diferentes, felizes.

E este foi um filme de homenagem ao Paul Newman e a toda a sua obra.

 

E eu senti-me pequenina porque para mim, Paul Newman era um actor, um sex-simbol dos anos 60-70 e nada mais.

Só por isso, e pelas numerosas fotos e vídeos de crianças doentes mas felizes, valeu a pena!

 

8 comentários

Comentar post